sábado, 20 de janeiro de 2018

Programação oficial dos atos de Porto Alegre

Uma grande frente composta por militantes, movimentos sociais, sindicalistas, trabalhadores, jovens que defendem a democracia está organizada em uma agenda de lutas e resistência nos próximos dias em Porto Alegre, cidade onde funciona o Tribunal Regional Federal da 4a região que julgará o ex-presidente Lula.

De acordo com a Frente Brasil Popular e a CUT já são 225 caravanas confirmadas de diversos estados, além de grupos que se organizam e vão sair de todos os cantos do Brasil. O MST iniciará seu acampamento no dia 20 e as agendas oficiais terão início no dia 22 espalhadas por diversos pontos da capital gaúcha.

Serão aulas públicas, vigílias, debates e muitas intervenções em pontos específicos de Porto Alegre que vão colocar a capital como o centro da defesa democrática do País. Se somam a essa resistência os mais de dois mil comitês populares criados por todo o Brasil que formam uma rede ampla de divulgação dos abusos da Justiça, do lawfare, da perseguição midiática e política promovida nos últimos anos contra Lula e a esquerda brasileira.

Defender o direito de Lula ser candidato é assegurar que o golpe não se consolide e que o país retome o rumo de desenvolvimento social e econômico interrompido em 2016.

Também serão realizados atos e vigílias nas frentes das sedes da Justiça federal em todos os estados. As ações tiveram início no sábado (13) quando foi realizado o Dia Nacional de Mobilização, marcando a jornada de lutas de janeiro. Também estão sendo agendadas manifestações fora do Brasil. Grupos de resistência internacionais se mobilizam e divulgam manifestos de apoio e solidariedade ao ex-presidente.

Veja a programação completa de Porto Alegre:
22/01

10h às 17h – Diálogos Internacionais sobre Democracia

Promoção: Fundação Perseu Abramo, Fundação Maurício Gabrois.

Local: Auditório da Fetrafi-RS – Rua Coronel Fernando Machado, 820

18h – Ato de Juristas e Intelectuais em Defesa da Democracia

Promoção: Frente Brasil de Juristas pela Democracia, Projeto Brasil-Nação, Comitê em Defesa da Democracia e do Estado Democrático de Direito

Local: Auditório da Fetrafi-RS – Rua Coronel Fernando Machado, 820

23/01

9h30min às 12h30min – Mulheres pela Democracia e pelo Direito de Lula ser candidato

Promoção: Comitê de Mulheres pela Democracia / RS

Local: Auditório Dante Barone, Assembleia Legislativa do RS

14h – Ação Global Anti-Davos

Promoção: Coletivo Brasileiro do Fórum Social Mundial 2018

Local: Auditório Dante Barone, Assembleia Legislativa do RS

16h – Atividades Culturais

Promoção: Comitê Cultura pela Democracia; Comitê Cultural do FSM; Comitê de Negros e Negras pela Democracia

Local: Tenda da Cultura no Largo Glênio Peres e Esquina Democrática

18h – Ato em Defesa da Democracia e do direito de Lula ser candidato

Local: Esquina Democrática

20h – Marcha em Defesa da Democracia e do direito de Lula ser candidato

21h – Vigília

Dia 24/01

8h – Alvorada pela Democracia com os Cantadores do Povo

8h30min – Vigília de acompanhamento do julgamento do recurso do ex-presidente Lula no TRF4.

Da Redação da Agência PT de Notícias

LULA E O JULGAMENTO DO JUDICIÁRIO



Frei Betto

       Lula, o mais destacado líder popular brasileiro da atualidade, vai a julgamento dia 24 de janeiro. Não há como ficar indiferente ao fato.
       A expectativa deixa a nação em suspenso. E a divide: de um lado, aqueles que já o pré-julgaram e esperam apenas que a sentença seja confirmada pelos juízes de Porto Alegre; de outro, os que afirmam não haver suficientes provas para condená-lo, e as acusações estão de tal maneira impregnadas de caráter político que extrapolam o exercício imparcial da Justiça.
       Estamos em ano de eleição presidencial. Vários candidatos em potencial aguardam o veredicto para tomarem uma decisão. Com Lula no páreo a disputa fica bem mais difícil para os neocandidatos. É o que apontam as pesquisas eleitorais.
       Lula adotou uma firme postura frente às acusações que lhe imputam: o ônus da prova cabe ao acusador. Ele se declara inocente, vítima de uma conspiração do Judiciário movido por forças aparentemente “ocultas”.
       Os que derrubaram Dilma e empossaram Temer miraram no que viram e acertaram no que não viram. Lula, após oito anos de mandato presidencial, saiu do Planalto com aprovação de 87% da opinião pública. É um dado significativo. E ainda conseguiu emplacar por duas vezes a eleição de Dilma para o comando do país.
       Armou-se um golpe parlamentar, à semelhança dos ocorridos em Honduras e Paraguai, defenestrou-se Dilma do poder para dar lugar a Temer, acusado de graves delitos. Porém, a costura saiu pior que o remendo. Temer não consegue alcançar 5% de aprovação. Governa graças ao descarado “franciscanismo” que mantém a maioria da Câmara dos Deputados refém dos cofres do Tesouro Nacional, cuja chave Temer traz em mãos.
       Nada indica que Temer logrará fazer aprovar a tão almejada (por ele) reforma da Previdência. Reeleger-se é muito mais importante para a bancada governista do que enfiar agora mais dinheiro no bolso e sofrer desgaste político. Afinal, muitos governistas ostentam no pescoço a corda da Lava Jato, e a reeleição é o modo mais indicado de se manterem afastados do patíbulo.
       Qualquer que seja o resultado do dia 24, Lula sai ganhando: absolvido, ficará livre das acusações que lhe são feitas. Se condenado, se tornará um mártir político do Judiciário que condena uns e se mantém cego e leniente diante de outras figuras políticas que cometeram delitos comprovados em imagens e gravações exibidas no noticiário.
       Na verdade, quem estará sentado no banco dos réus, dia 24, não será o cidadão Luiz Inácio Lula da Silva. Será o Judiciário brasileiro.

ENEG Encontro Nacional de Estudantes de Geografia

XXII Encontro Nacional de Estudantes de Geografia, ENEG, de 2017 em São Gonçalo no Rio de Janeiro aqui, o o próximo ENEG será Salvador aqui


XIX Encontro Nacional dos Geógrafos

XVIII Encontro Nacional dos Geógrafos, ENG , realizado em São Luís no Maranhão em 2016 e o próximo ENG será em João Pessoa, a página está em construção  aqui no ENG anterior está disponível os Anais Eletrônicos aqui


quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

O Livro Didático de Geografia e os desafios da docência para aprendizagem



Já está disponível para download no site do Núcleo de Estudos em Educação e Geografia - NEEGeo (link abaixo) o livro 'O Livro Didático de Geografia e os desafios da docência para aprendizagem' organizado pelos professores Ivaine Maria Tonini, Ligia Beatriz Goulart, Manoel Martins de Santana Filho, Rosa E. Militz W. Martins e Roselane Zordan Costella.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

GEÓGRAFO NIGERIANO



Akin Mabogunje é laureado com o Prêmio Vautrin Lud. O Prêmio Vautrin Lud é o mais alto prêmio no campo da Geografia. Geralmente, é conhecido como o "Prêmio Nobel de Geografia".
🌍
Akinlawon Ladipo Mabogunje, nascido em Kano, na Nigéria, em 18 de outubro de 1931, é um geógrafo, especialista em urbanização em países em desenvolvimento. Ele foi o primeiro presidente africano da União Geográfica Internacional (1980-1984) e o primeiro geógrafo do continente africano a vencer o Prêmio Vautrin-Lud.
🌍
Akin Mabogunje estudou na Universidade de Ibadan (em #Ibadan, na Nigéria) e University College London - UCL (em Londres, Inglaterra). Atualmente é professor da Universidade de Ibadan. Foi professor convidado em muitas universidades em todo o mundo, incluindo o Reino Unido, os Estados Unidos, o Brasil e a Suécia.
🌍
Desenvolveu um grande trabalho ao longo de sua carreira sobre a urbanização em países em desenvolvimento e em planejamento urbano. No início de 2017, Akin Mabogunje foi eleito membro honorário estrangeiro da Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos. Ele também é um membro honorário da Universidade de Londres, na Inglaterra.
🌍
fonte: Suburbano Digital
🌍
vídeo de sua premiação: https://www.youtube.com/watch?time_continue=5&v=5bSVZwYAp8I

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Frio intenso nos EUA E CANADÁ

Grande parte da América do Norte experimentou uma primeira semana de janeiro com frio absurdamente intenso com marcas em pontos dos Estados Unidos e do Canadá de até 40ºC abaixo de zero. Chegou a nevar em localidades do Norte da Flórida depois de duas décadas. Bastou para que
as redes sociais fossem inundadas com textos alegando o frio como prova da inexistência do aquecimento global. O próprio presidente americano Donald Trump fez uso de ironia na sua mensagem de ano novo, dizendo
ter saudade do bom e velho aquecimento do planeta. Só que tempo não é clima e uma região não pode ser usada como representação para escala planetária. O mapa acima mostra a anomalia de temperatura no mundo no dia 1 de janeiro, quando muitas cidades americanas viviam a virada de ano mais gelada em meio século. Apesar da temperatura muito baixa no país e no Canadá, grande parte do planeta tinha temperatura acima da média. A anomalia no dia em escala global foi de temperatura 0,5ºC acima da média histórica com desvio de +0,9ºC no Hemisfério Norte e +0,1ºC no Hemisfério Sul. Na mesma semana, Sydney, na Austrália, teve o dia mais quente
desde 1939 com máxima em subúrbio da cidade de 47,3ºC.


segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

2018: David Bowie faria 71 anos

hoje David Bowie faria 71 anos, em homenagem a este ícone do rock um show ao vivo só com clássicos dele:


Sunday 
Life On Mars 
Ashes To Ashes
Cactus
Slip Away
China Girl
Starman
I Would Be Your Slave
I've Been Waiting For You
Stay
Changes
Fashion
Fame
I'm Afraid Of Americans
5:15 The Angels Have Gone
Heroes
Heathen
Encore Call
Everyone Says Hi
Hallo Spaceboy
Let's Dance
Ziggy Stardust

sábado, 6 de janeiro de 2018

AS 500 MAIS DA KISS - 2017/2018


clique aqui para ouvir a rádio rock


500- Metallica - Fuel
499- Yes - Changes
498- Linkin Park - In The End
497- Rush - Xanadu
496- System Of A Down - Chop Suey!
495- Pearl Jam - Dissident
494- Red Hot Chili Peppers - Californication
493- Ozzy Osbourne - Shot In The Dark
492- Mr. Big - Take Cover
491- Muse - Panic Station
490- Iggy Pop - The Passenger
489- Midnight Oil - King Of The Mountain
488- Green Day - Good Riddance (Time Of Your Life)
487- Def Leppard - Rock Of Ages
486- System Of A Down - Aerials
485- Alice In Chains - I Stay Away
484- The Beatles - Please Please Me
483- Alter Bridge - Broken Wings
482- Billy Idol - Rebel Yell
481- Arctic Monkeys - Do I Wanna Know?
480- Bad Company - Bad Company
479- Audioslave - Cochise
478- Cream - Sunshine Of Your Love
477- Deep Purple - Sometimes I Feel Like Screaming
476- Foo Fighters - The Sky Is A Neighborhood
475- Echo & The Bunnymen - The Killing Moon
474- Bush - Machinehead
473- Duran Duran - Ordinary World
472- Green Day - Basket Case
471 - George Thorogood & The Destroyers - Bad To The Bone
470 - Aerosmith - Falling In Love (Is Hard On The Knees)
469- The Strokes - Last Nite
468 - Anathema - Untouchable Pt. 1
467- Joy Division - Love Will Tear Us Apart
466- The Rolling Stones - Beast Of Burden
465- Alice In Chains - No Excuses
464- Velvet Revolver - Slither
463- Oasis - Don't Go Away
462- Linkin Park - Numb
461- Kiss - Lick It Up
460- Aerosmith - Love In An Elevator
459- The Black Keys - Lonely Boy
458- Def Leppard - Photograph
457- Arctic Monkeys - Fluorescent Adolescent
456- Genesis - I Can't Dance
455- INXS - Never Tear Us Apart
454- Iron Maiden - Wasting Love
453- Bad Religion - Sorrow
452- Lenny Kravitz - American Woman
451- Men At Work - Down Under
450- Mr. Big - To Be With You
449- Disturbed - The Sound Of Silence
448- Joe Cocker - Unchain My Heart
447- Audioslave - Show Me How To Live
446- Guns N' Roses - Live And Let Die
445- The Rolling Stones - Anybody Seen My Baby
444- Foo Fighters - Everlong
443- Collective Soul - December
442- Judas Priest - Living After Midnight
441- The Rolling Stones - Don't Stop
440- Incubus - Drive
439- Pearl Jam - Daughter
438- Radiohead - Creep
437- Simple Minds - Don't You (Forget About Me)
436- Aerosmith - I Don't Want To Miss A Thing
435- Sex Pistols - Anarchy In The U.K.
434- The Clash - Police On My Back
433- Lenny Kravitz - Fly Away
432- Red Hot Chili Peppers - Can't Stop
431- Bad Religion - 21st Century Digital Boy
430- Phil Collins - In The Air Tonight
429- R.E.M. - Shiny Happy People
428- Skid Row - 18 And Life
427- Green Day - Wake Me Up When September Ends
426- Bruce Springsteen - Glory Days
425- The Commitments - Mustang Sally
424- Jet - Are You Gonna Be My Girl
423- Aerosmith - Full Circle
422- Aerosmith - Hole In My Soul
421- The Cure - In Between Days
420- The Beatles - All You Need Is Love
419- Elvis Presley - A Little Less Conversation
418- The Smiths - Panic
417- Foo Fighters - Best Of You
416- The Killers - Mr. Brightside
415- Bruce Springsteen - Human Touch
414- The Cult - Wild Flower
413- Twisted Sister - We're Not Gonna Take It
412- Bon Jovi - Keep The Faith
411- The Offspring - The Kids Aren't Alright
410- David Bowie - Fame
409- The Cure - Lullaby
408- Dishwalla - Counting Blue Cars
407- Faith No More - Falling To Pieces
406- David Bowie - Rebel Rebel
405- Billy Idol - Mony Mony
404- Van Halen - Not Enough
403- Collective Soul - Shine
402- Scorpions - Big City Nights
401- Oasis - Go Let It Out
400- U2 - Beautiful Day
399- Bad Religion - Infected
398- Judas Priest - Turbo Lover
397- Lenny Kravitz - Always On The Run
396- Faith No More - We Care A Lot
395- Queen - The Show Must Go On
394- Live - Pain Lies On The Riverside
393- Ramones - Ramona
392- Midnight Oil - Forgotten Years
391- Guns N' Roses - Civil War
390- The Offspring - Pretty Fly (For A White Guy)
389- David Coverdale & Jimmy Page - Shake My Tree
388- INXS - Suicide Blonde
387- Jon Bon Jovi - Blaze Of Glory
386- Red Hot Chili Peppers - Scar Tissue
385- Oasis - Live Forever
384- Living Colour - Cult Of Personality
383- Motley Crue - Girls, Girls, Girls
382- Men At Work - It's A Mistake
381- Queen - I Was Born To Love You
380- Ramones - Rock n' Roll High School
379- Sex Pistols - God Save The Queen
378- The Verve - Bitter Sweet Symphony
377- U2 - I Will Follow
376- Tommy Tutone - 867-5309/Jenny
375- Queens Of The Stone Age - No One Knows
374- The Cult - Nirvana
373- David Bowie - All The Young Dudes
372- Van Halen - Love Walks In
371- Aerosmith - Cryin'
370- Red Hot Chili Peppers - Dani California
369- Iron Maiden - Heaven Can Wait
368- The Outfield - Your Love
367- Red Hot Chili Peppers - By The Way
366- Skid Row - In A Darkened Room
365- The Cure - Why Can't I Be You?
364- Tears For Fears - Break It Down Again
363- The Clash - Train In Vain
362- Audioslave - Be Yourself
361- Lenny Kravitz - Again
360- Dream Theater - Another Day
359- The Cure - Killing An Arab
358- Echo & The Bunnymen - Lips Like Sugar
357- Foo Fighters - All My Life
356- Genesis - Mama
355- Oasis - Stand By Me
354- Europe - The Final Countdown
353- Faith No More - Evidence
352- Guns N' Roses - Knockin' On Heaven's Door
351- INXS - Beautiful Girl
350- Peter Frampton - Show Me The Way
349- Queen - I Want To Break Free
348- Live - Selling The Drama
347- U2 - Vertigo
346- Red Hot Chili Peppers - Give It Away
345- Joe Cocker - You Can Leave Your Hat On
344- Rush - Cold Fire
343- David Bowie - The Man Who Sold The World
342- INXS - New Sensation
341- Foo Fighters - Times Like These
340- Pearl Jam - Soldier Of Love
339- The Killers - Somebody Told Me
338- David Bowie - Young Americans
337- The Cure - Pictures Of You
336- The Offspring - Come Out And Play
335- Aerosmith - Sweet Emotion
334- Queen - Spread Your Wings
333- Dio - Holy Diver
332- The Rolling Stones - You Can't Always Get What You Want
331- Kings Of Leon - Use Somebody
330- Bachman-Turner Overdrive - Hold Back The Water
329- The Cult - Revolution
328- The Beatles - Hey Jude
327- Pink Floyd - High Hopes
326- Pearl Jam - Sirens
325- U.F.O. - Rock Bottom
324- Aerosmith - Livin' On The Edge
323- Nirvana - In Bloom
322- Rush - Limelight
321- Peter Frampton - Do You Feel Like We Do
320- The Cult - Sweet Soul Sister
319- David Bowie - Absolute Beginners
318- Ramones - I Believe In Miracles
317- Guns N' Roses - Estranged
316- INXS - By My Side
315- Black Sabbath - The Wizard
314- Creedence Clearwater Revival - Born On The Bayou
313- Joan Jett & The Blackhearts - I Hate Myself For Loving You
312- The Kinks - You Really Got Me
311- Blue Oyster Cult - Joan Crawford
310- Oasis - Champagne Supernova
309- David Bowie & Mick Jagger - Dancing In The Street
308- Kings Of Leon - Sex On Fire
307- The Doors - People Are Strange
306- Pink Floyd - Hey You
305- Deep Purple - Woman From Tokyo
304- The Beatles - Back In The U.S.S.R.
303- Foo Fighters - My Hero
302- Eric Clapton - Layla (Unplugged)
301 - Thin Lizzy - Wiskey in The Jar
300 - David Bowie - Let's Dance
299 - Beatles - Helter Skelter
298 - Jimi Hendrix - Crosstown Traffic
297- Ozzy Osbourne - Mr. Crowley
296- Rush - Nobody's Hero
295- David Bowie & Pat Metheny Group - This Is Not America
294- Kiss - Hard Luck Woman
293- Lenny Kravitz - Are You Gonna Go My Way
292- Midnight Oil - The Dead Heart
291- Van Halen - When It's Love
290- Queen - Love Of My Life
289- Deep Purple - Black Night
288- Led Zeppelin - Hey Hey What Can I Do
287- David Bowie - Modern Love
286- Faith No More - Easy
285- David Bowie - Sound And Vision
284- Journey - Separate Ways (Worlds Apart)
283- Janis Joplin - Cry Baby
282- Echo & The Bunnymen - Bring On The Dancing Horses
281- Mr. Big - Green-Tinted Sixties Mind
280- Phil Collins & Philip Bailey - Easy Lover
279- Queen - Killer Queen
278- Red Hot Chili Peppers - Aeroplane
277- T.S.O.L. - Flowers By The Door
276- Tears For Fears - Sowing The Seeds Of Love
275- Van Halen - Can't Stop Loving You
274- The Cure - Boys Don't Cry
273- Whitesnake - The Deeper The Love
272- New Model Army - 51st State Of America
271- Ozzy Osbourne - Perry Mason
270- Queen - Keep Yourself Alive
269- Queen - One Vision
268- Rory Gallagher - Shadow Play
267- The Police - King Of Pain
266- R.E.M. - Imitation Of Life
265- Pretenders - Middle Of The Road
264- Alice Cooper - Billion Dollar Babies
263- The Police - Walking On The Moon
262- Kansas - Dust In The Wind
261- The Clash - Rock The Casbah
260- U2- New Year's Day
259- Morrissey - Suedehead
258- Joe Cocker - With A Little Help From My Friends
257- Ozzy Osbourne - Bark At The Moon
256- Rush - Fly By Night
255- Marillion - Kayleigh
254- Pink Floyd - Run Like Hell
253- Queen - Tie Your Mother Down
252- Ramones - I Don't Want To Grow Up
251- The Police - Roxanne
250- Spin Doctors - Two Princes
249- Aerosmith - Jaded
248- Metallica - The Unforgiven
247- Iron Maiden - Can I Play With Madness
246- The Rolling Stones - Wild Horses
245- ZZ Top - Sharp Dressed Man
244- David Bowie - The Jean Genie
243- Motorhead - Hellraiser
242- Rainbow - Ariel
241- The Police - Every Little Thing She Does Is Magic
240- The Rolling Stones - Like A Rolling Stone
239- Bad Company - Feel Like Makin' Love
238- Guns N' Roses - You Could Be Mine
237- Creedence Clearwater Revival - Hey Tonight
236- The Beatles - Hello Goodbye
235- The Beatles - Day Tripper
234- The Rolling Stones - Love Is Strong
233- Bob Dylan - Knockin' On Heaven's Door
232- The Cult - Love
231- Van Halen - Why Can't This Be Love
230- The Cure - Just Like Heaven
229- Bob Dylan - Hurricane
228- Queen - Fat Bottomed Girls
227- Billy Idol - Dancing With Myself
226- Rainbow - Man On The Silver Mountain
225- Led Zeppelin - Misty Mountain Hop
224- The Clash - London Calling
223- Jimi Hendrix - All Along The Watchtower
222- The Smiths - There Is A Light That Never Goes Out
221- Twisted Sister - I Wanna Rock
220- The Cult - Edie (Ciao Baby)
219- The Who - Behind Blue Eyes
218- U2 - I Still Haven't Found What I'm Looking For
217- Kiss - God Made Rock N' Roll To You II
216- The Cure - Friday I'm In Love
215- David Bowie - Blue Jean
214- Bruce Dickinson - Tears Of The Dragon
213- Aerosmith - Janie's Got A Gun
212- Bon Jovi - Wanted Dead Or Alive
211- Kiss - I Was Made For Lovin' You
210- Alice Cooper - No More Mr. Nice Guy
209- Iggy Pop Feat. Kate Pierson - Candy
208- The Smiths - This Charming Man
207- Van Halen - Unchained
206- The Who - You Better You Bet
205- Grand Funk Railroad - We're An American Band
204- Alice In Chains - Would?
203- Dire Straits - So Far Away
202- Roy Orbison - Oh Pretty Woman
201- Kiss - Shout It Out Loud
200- Bon Jovi - You Give Love A Bad Name
199- Dio - Rainbow In The Dark
198- The Police - Don't Stand So Close To Me
197- The Smiths - Ask
196- Dire Straits - Walk Of Life
195- U2 - With Or Without You
194- Guns N' Roses - Welcome To The Jungle
193- Kiss - Strutter
192- Van Halen - Runnin' With The Devil
191- The Doors - Touch Me
190- Neil Young - Rockin' In The Free World
189- The Cult - She Sells Sanctuary
188- The Who - Pinball Wizard
187- Oasis - Don't Look Back In Anger
186- Jimi Hendrix - Hey Joe
185- Van Halen - Ain't Talkin' 'bout Love
184- Queen - Another One Bites The Dust
183- The Rolling Stones - Paint It Black
182- The Cult - Love Removal Machine
181- Aerosmith - Crazy
180- Stone Temple Pilots - Plush
179- The Rolling Stones - Jumpin' Jack Flash
178- Jimi Hendrix - Purple Haze
177- Van Halen - Right Now
176- Bruce Springsteen - Born In The U.S.A
175- David Bowie - Starman
174- The Who - Who Are You
173- Nirvana - Smells Like Teen Spirit
172- The Police - Message In A Bottle
171- The Beatles - Ticket To Ride
170- Queen - We Will Rock You
169- Kiss - I Love It Loud
168- Guns N' Roses - November Rain
167- Joan Jett & The Blackhearts - I Love Rock N' Roll
166- Alice Cooper - School's Out
165- The Rolling Stones - Miss You
164- Bad Company - Can't Get Enough
163- Thin Lizzy - The Boys Are Back In Town
162- Van Halen - Dance The Night Away
161- The Beatles - Come Together
160- The Rolling Stones - Start Me Up
159- AC/DC - Jailbreak
158- Pearl Jam - Even Flow
157- Kiss - Deuce
156- The Police - Every Breath You Take
155- The Beatles - I Want To Hold Your Hand
154- Queen - We Are The Champions
153- Jimi Hendrix - Foxey Lady
152- Aerosmith - Walk This Way
151- Scorpions - Rock You Like A Hurricane
150- Yes - Owner Of A Lonely Heart
149- Led Zeppelin - Dy'er Mak'er
148- The Who - Magic Bus
147- David Bowie - Ziggy Stardust
146- The Rolling Stones - Sympathy For The Devil
145- The Clash - Should I Stay Or Should I Go
144- Ramones - I Wanna Be Sedated
143- Creedence Clearwater Revival - Have You Ever Seen The Rain
142- Eric Clapton - Cocaine
141- U2 - Sunday Bloody Sunday
140- David Bowie - Ashes To Ashes
139- Queen - Radio Ga Ga
138- Cream - Crossroads
137- Rush - Time Stand Still
136- Led Zeppelin - All My Love
135- The Beatles - Drive My Car
134- Black Sabbath - Changes
133- Black Sabbath - Iron Man
132- Creedence Clearwater Revival - Fortunate Son
131- Led Zeppelin - Going To California
130- Kiss - Forever
129- Ramones - Sheena Is A Punk Rocker
128- Oasis - Wonderwall
127- Ramones - Rockaway Beach
126- ZZ Top - La Grange
125- Van Halen - Panama
124- U2 - Where The Streets Have No Name
123- Whitesnake - Is This Love
122- Pink Floyd - Take It Back
121- Foghat - Slow Ride
120- Iron Maiden - The Trooper
119- Foo Fighters - Learn To Fly
118- Guns N' Roses - Patience
117- Nirvana - Come As You Are
116- Ozzy Osbourne - Mama I'm Coming Home
115- Queen - Don't Stop Me Now
114- The Rolling Stones - Brown Sugar
113- R.E.M. - Losing My Religion
112- Big Brother & The Holding Company, Janis Joplin - Piece Of My Heart
111- Dire Straits - Money For Nothing
110- Rush - Closer To The Heart
109- Boston - More Than A Feeling
108- Queen - A Kind Of Magic
107- Talking Heads - Psycho Killer
106- The Doors - Break On Through (To The Other Side)
105- Van Halen - Dreams
104- The Smiths - Heaven Knows I'm Miserable Now
103- Tom Petty - Free Fallin'
102- The Cult - Fire Woman
101- Rush - The Spirit Of Radio
100- Steppenwolf - Born To Be Wild
99- Scorpions - Wind Of Change
98- The Doors - Love Me Two Times
97- U2 - Pride (In The Name Of Love)
96- Whitesnake - Love Ain't No Stranger
95- The Rolling Stones - It's Only Rock N' Roll (But I Like It)
94- Queen - Crazy Little Thing Called Love
93- Kiss - Love Gun
92- Led Zeppelin - Good Times Bad Times
91- The Beatles - Don't Let Me Down
90- Rainbow - Long Live Rock N' Roll
89- Deep Purple - Burn
88- Aerosmith - Amazing
87- Van Halen - Jump
86- The Who - I Can't Explain
85- Queen & David Bowie - Under Pressure
84- Kiss - Detroit Rock City
83- Led Zeppelin - Immigrant Song
82- Lynyrd Skynyrd - Sweet Home Alabama
81- Red Hot Chili Peppers - Under The Bridge
80- Ramones - Poison Heart
79- Peter Frampton - Breaking All The Rules
78- Soundgarden - Black Hole Sun
77- Rush - Tom Sawyer
76- The Doors - Riders On The Storm
75- Led Zeppelin - Whole Lotta Love
74- Ramones - Pet Sematary
73- The Beatles - Let It Be
72- AC/DC - It's A Long Way To The Top (If You Wanna Rock N' Roll)
71- Bad Religion - American Jesus
70- Queen - Somebody To Love
69- Midnight Oil - Beds Are Burning
68- The Rolling Stones - (I Can't Get No) Satisfaction
67- Judas Priest - Breaking The Law
66- Ramones - Blitzkrieg Bop
65- Pearl Jam - Alive
64- The Black Crowes - Remedy
63- Audioslave - Like A Stone
62- Midnight Oil - Blue Sky Mine
61- Pink Floyd - Mother
60- AC/DC - You Shook Me All Night Long
59- Deep Purple - Highway Star
58- Alice In Chains - Man In The Box
57- Chuck Berry - Johnny B. Goode
56- Faith No More - Epic
55- Kansas - Carry On Wayward Son
54- Ozzy Osbourne - No More Tears
53- The Doors - Light My Fire
52- Iron Maiden - Wasted Years
51- Ozzy Osbourne - Crazy Train
50- Queensryche - Silent Lucidity
49- U2 - One
48- Guns N' Roses - Sweet Child O' Mine
47- Whitesnake - Here I Go Again '87
46- Pink Floyd - Money
45- Motorhead - Ace Of Spades
44- Metallica - Nothing Else Matters
43- Bon Jovi - Livin' On A Prayer
42- Metallica - Enter Sandman
41- Led Zeppelin - Black Dog
40- Deep Purple - Smoke On The Water
39- Alice Cooper - Poison
38- AC/DC - Hells Bells
37- Pink Floyd - Another Brick In The Wall Pt. 2
36- The Doors - Roadhouse Blues
35- Pink Floyd - Wish You Were Here
34- Pink Floyd - Time
33- Pearl Jam - Jeremy
32- Journey - Don't Stop Believin'
31- Kiss - Rock And Roll All Nite
30- Jethro Tull - Aqualung
29- Black Sabbath - N.I.B.
28- Eagles - Hotel California
27- AC/DC - Thunderstruck
26- The Beatles - Help!
25- Black Sabbath - War Pigs
24- ELVIS PRESLEY - Suspicious Minds
23- Black Sabbath - Paranoid
22- AC/DC - For Those About To Rock (We Salute You)
21- Dire Straits - Sultans Of Swing
20- AC/DC - T.N.T.
19- AC/DC - Highway To Hell
18- Aerosmith - Dream On
17- Lynyrd Skynyrd - Simple Man
16- Lynyrd Skynyrd - Free Bird
15- Iron Maiden - The Number Of The Beast
14- Deep Purple - Perfect Strangers
13- David Bowie - Heroes
12- Focus - Hocus Pocus
11- Iron Maiden - Fear Of The Dark
10- The Who - Baba O'Riley
09- Pink Floyd - Comfortably Numb
08- The Rolling Stones - Gimme Shelter
07- Pearl Jam - Black
06- Led Zeppelin - Kashmir
05- AC/DC - Back In Black
04- Rainbow - Stargazer
03- Metallica - One
02- Queen - Bohemian Rhapsody
01- Led Zeppelin - Stairway To Heaven

PRODUÇÃO DE LIXO DURANTE O RÉVELLIONS PELO MUNDO EM 2018



RIO DE JANEIRO - BRASIL
2,4 milhões de pessoas
285,65 toneladas
119 g de lixo por pessoa

SANTIAGO - CHILE
400 mil de pessoas
35 toneladas
87 g de lixo por pessoa

NOVA YORK - EUA
2 milhões de pessoas
50 toneladas
25 g de lixo por pessoa

LONDRES - INGLATERRA
1 milhão de pessoas
85 toneladas
85 g de lixo por pessoa

SYDNEI - AUSTRÁLIA
1 milhão de pessoas
43 toneladas
43 g de lixo por pessoa

Fonte: R7

EUA e Coreia do Norte

"O meu é maior que o seu" e as relações geopolíticas ao nível da 5ª série.

três fenômenos simultâneos

Após 150 anos, dia 31 de janeiro terá Lua Azul, Superlua e Lua de Sangue
O dia 31 de janeiro representará a reunião de três fenômenos simultâneos, a primeira vez em 150 anos: a Superlua, a Lua Azul e a Lua de Sangue. De acordo com a revista Superinteressante, a Lua Azul é o único evento dos três que não é astronômico, mas sim tem relação com a forma de marcar o tempo – de acordo com calendário lunar, um mês dura 29,5 dias, enquanto o calendário gregoriano tem entre 30 e 31 dias – por causa dessa diferença, há fases cheias de tempos em tempos, o que é chamado de Lua Azul. A última vez em que isso aconteceu foi no dia 2 de julho de 2015. A Superlua, por sua vez, é quando o satélite terrestre aparece 14% maior e 30% mais brilhante no céu. Para isso, a lua precisa estar na fase cheia e estar mais próxima da Terra que o normal, o chamado perigeu (o momento em que a lua alcança o ponto mais distante do planeta corresponde ao “apogeu”). Já a “Lua de Sangue”, que também precisa de uma lua cheia, é o momento em que o satélite fica exatamente entre a Terra e o Sol, configurando um eclipse lunar total, ficando com uma cor avermelhada.
Foto: Dominique Dierick / Nasa


quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Atlas Geografia Uso Agrotóxicos

Atlas Geografia Uso Agrotóxicos BR/Conexões c/ U. Européia, elaborado p/ Prof(a) Larissa Bombardi da Fac. Geografia USP. Trata-se d levantamento d dados exaustivo e sem precedentes s/ o consumo d agrotóxicos BR e faz paralelo c/ q acontece na UE.

https://www.larissabombardi.blog.br/atlas2017

domingo, 31 de dezembro de 2017

divisão étnica x divisão política

África: divisão étnica e política! Um dos graves problemas da divisão política é que não respeitaram a divisão étnica do país. As fronteiras políticas da África estão muito distantes da realidade étnica e cultural do continente.

Resultante do regime colonialista imposto por potências européias até o século XX, a atual divisão política da África foi decidida na Conferência de Berlim (1884-1885). Artificial, essa divisão atendia os interesses das potências coloniais, que queriam apropriar-se dos recursos naturais do continente.

Desprezando a diversidade de culturas e incitando disputas entre tribos rivais, as novas fornteiras jogaram a África em uma situação de constante tensão, mesmo após os processos de independência, pontilhada por guerras civis, golpes de Estado e conflitos étnicos e religiosos. Imagem by @geografia_depressao #african #africa#instamap #maps #mapa


terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Jerusalém, capital de Israel?



Entenda a razão por trás da decisão do presidente estadunidense.

Decisão de Trump legaliza décadas de colonização judaica de Jerusalém Oriental e altera a forma pela qual israelenses e americanos irão abordar as negociações de paz daqui em diante.

O presidente dos EUA anunciou, nesta quarta-feira (6), a decisão de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel. No anúncio, ele foi fiel ao seu modo de distorcer a verdade, de enxergar um mundo como apenas ele enxerga. A justificativa para ele reconhecer Jerusalém, como a capital de Israel, foi criar uma nova abordagem para o processo de paz.

A decisão sobre Jerusalém pode ter sido o preâmbulo para um plano de paz que está sendo desenhado a ser apresentado no início de 2018. Diantes dos recentes eventos, são altas as chances de a administração Trump ficar marcada por escamotear a colonização israelense dos territórios palestinos como seu novo truque dentro do processo de paz.

O louco, a razão e a paz

A grande maioria dos artigos que tentam compreender  o significado do reconhecimento dos EUA de Jerusalém como a capital oficial de Israel trazem, na prática, pouco material para a reflexão e reforçam discursos que de alguma forma buscam enquadrar Trump como um ator irracional. O colunista da Folha de S. Paulo Clóvis Rossi disse que Trump estaria incendiando o conflito entre israelenses e palestinos sem nenhuma razão aparente. Outras explicações se voltam para o lobby israelense como fator decisivo na política externa do EUA.

Em Israel, essa é uma reivindicação bastante antiga, que data do período em que os israelenses anexaram a parcela oriental de Jerusalém após a sua conquista na Guerra dos Seis Dias, em 1967. Quando Israel definiu a expansão dos limites da cidade sob seu controle, incluindo a quase totalidade da região do que seria Jerusalém Oriental. A partir de então, instituiu políticas de zoneamento, para poder controlar as ações dos palestinos em temas de construção, levando adiante uma política de demolição de casas.

Com a construção do Muro, em 2002, Israel passou a traçar os limites de quem poderia permanecer como um “jerusalemita” e quem perderia tal status. Isso servia também para mudar a demografia da cidade, ou seja, diminuir os não-judeus que habitavam a cidade. Alguns dos vilarejos que ficaram “do outro lado” do Muro seriam desapropriados do pertencimento a Jerusalém para adicionar-se às políticas que Israel montou para controlar a Cisjordânia. Hoje, a população da Jerusalém ocupada é de cerca de 860 mil pessoas. Destas, cerca de 300 mil são palestinos sem qualquer cidadania.

Nos últimos anos, quem mais fazia coro em torno da declaração de Jerusalém como capital do Estado judeu eram os políticos de direita israelense, como o premiê Netanyahu e os ministros Naftali Bennet e Avigdor Liberman. A esquerda sionista via os custos do reconhecimento como maiores do que os eventuais bônus.

Nos EUA, grupos judeus e evangélicos sionistas vem já há um tempo pressionando parlamentares e presidentes americanos para tomar decisões que convirjam com os interesses israelenses há décadas. Os 22 anos em que presidentes americanos tem postergado, a cada seis meses, a decisão final de mover a embaixada dos EUA para Jerusalém após aprovação no Congresso é uma demonstração da competição entre os diversos setores da sociedade americana.

Com a eleição de Trump, grupos mais conservadores ganharam espaço, representados por figuras como o empresário judeu sionista Sheldon Adelson, o maior doador de Trump na disputa eleitoral, e o embaixador dos EUA em Israel, Milton Friedman.

As implicações imediatas da decisão de Trump em Jerusalém e na região

A decisão de Trump não tem peso legal imediato, mas tem uma importante relevância política. Por um lado, a maior potência do mundo corrobora a visão de um dos lados sobre um dos temas mais delicados da questão palestina. Em segundo, o “mediador neutro” teria posto uma pá de cal na solução de dois Estados ao definir um dos termos do processo longe das mesas de negociação, em uma canetada.

O paradigma criado pelos EUA estaria sendo dinamitado por eles próprios. Trump estaria dilapidando os históricos esforços de seus antecessores: de Bush pai, responsável por pressionar os israelenses a sentarem na mesa de negociações pela primeira vez, à dobradinha Obama-Kerry, que fracassou sem evoluir significativamente.

Segundo o Trump, ele estaria compensando anos de covardia de presidentes dos EUA com essa decisão. Hoje, eu estou entregando o que muitos presidentes prometeram.

A decisão de Trump é um atropelamento da lei internacional, uma vez que a soberania de Israel sobre Jerusalém é ilegal do ponto de vista do arcabouço jurídico internacional. Já que  Jerusalém faz parte dos Territórios Palestinos Ocupados em 1967 — o que faz de qualquer construção israelense  lá um assentamento ilegal.

Embora Trump tenha se tornado famoso por tuítes e declarações apressadas e bombásticas, e a sua decisão sobre Jerusalém possa parecer incompreensível, num primeiro momento, a sua movimentação em torno da questão Palestina-Israel não é a de um louco. Muito pelo contrário, a sua abordagem permanece dentro da tradição do processo de paz e inclui uma percepção acurada sobre a realidade e seus fatos concretos.

“É apenas o reconhecimento da realidade”, declarou. De fato, se há algo que a ocupação de Israel constituiu e que o processo de paz institucionalizou foi a legitimações de contravenções e crimes que já eram uma realidade. Agora, os EUA repetem o script ao conceder um aval legítimo a algo que sustentavam materialmente.

Diálogos de paz como legitimação da colonização

No decorrer das negociações de paz, um dos maiores esforços dos israelenses tem sido alterar o patamar aceito pelos palestinos e garantir a soberania sobre os milhares de assentamentos judeus que foram construídos ilegalmente durante a ocupação dos territórios palestinos, como os doze bairros judeus erguidos em Jerusalém Oriental com a anuência dos presidentes americanos há décadas.

Em 2005, quando o premiê israelense Ariel Sharon retirou os assentamentos judeus da Faixa de Gaza, em uma movimentação que buscava unilateralmente trazer uma solução provisória para o impasse, fez questão de receber do então presidente dos EUA, George Bush filho, cartas que confirmassem que as colônias judaicas na Cisjordânia, incluindo Jerusalém, necessariamente ficassem sob soberania israelense em um eventual acordo de paz.

O que Trump fez foi formalizar este apoio público e definitivo, tornando os EUA a primeira nação do mundo a reconhecer oficialmente os milhares de colonos e assentamentos localizados na parte oriental da Grande Jerusalém israelense, que, na prática, abocanha partes significativas de território palestino em disputa, como parte oficial de Israel. Ou seja, o território colonizado tornou-se legitimamente parte de Israel do ponto de vista americano.

Uma primeira manifestação desta nova abordagem pôde ser vista ainda em novembro deste ano. Uma declaração conjunta das bancadas “Vitória de Israel”, no Congresso dos EUA e no parlamento israelense (o Knesset), pedia que o governo exigisse o reconhecimento palestino de Israel como o Estado judeu. Um dos líderes da bancada, o republicano Bill Johnson, afirmou estar “ansioso para trabalhar com os aliados no Knesset para avançar a ideia de uma vitória israelense como uma abordagem alternativa para o conflito israelo-palestino, uma na qual Israel pare de fazer concessões desnecessárias e, em vez disso, que os palestinos concedam seu objetivo de destruir Israel e aceite que o Estado de Israel está aqui para ficar”.

Essa intenção pode também ser observada na declaração do ministro da Defesa de Israel, Avigdor Liberman, membro de um partido de extrema-direita e, ele próprio, um colono habitante de um assentamento da Cisjordânia. Para ele, a decisão de Trump é correta, pois está oferecendo as condições para uma paz possível. Na sua visão, a questão central a ser negociada com os palestinos é a coesão social da composição étnica dos dois Estados. O caminho, para ele, é a legalização da colonização ocorrida sob status de ilegalidade por meio da troca de terras e populações.

“O modelo de solução atual — de que haverá um estado palestino homogêneo sem um judeu sequer, enquanto Israel será um estado binacional com mais de 20% de árabe que se identificam como palestinos — é inaceitável”, afirmou Liberman. “Se eles têm o direito para um estado homogêneo, então nós também precisamos demandar um estado judeu homogêneo, e, portanto, a solução, como eu vejo, precisa incluir o componente de trocas de terras e população.”

Em resposta, o negociador chefe palestino no processo de paz, Saeb Erekat, afirmou que “o presidente Trump entregou uma mensagem ao povo palestino: a solução de dois Estados tem seu fim. Agora, é tempo de transformar a luta por Um Estado com direitos iguais para todos vivendo na Palestina histórica, do rio (Jordão) até o mar (Mediterrâneo)”.

Apesar da retórica combativa de Erekat, pouco se espera da Autoridade Nacional Palestina, parte central desse processo de paz corrompido e que ajuda a manter a população palestina sob controle enquanto Israel avança na colonização — além de ser sustentada, em grande parte, por doações dos EUA. A decisão de Trump é mais um elemento de uma negociação que já era moribunda e com credibilidade próxima do zero, não necessariamente o seu fim. O jogo de cena, ao que tudo indica, deve permanecer.

Fonte: Arturo Hartmann e Bruno Huberman disponível em http://outraspalavras.net/terraemtranse/2017/12/08/trump-nao-e-louco-entenda-razao-por-tras-da-decisao-de-reconhecer-jerusalem-como-capital-de-israel/

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Um panorama dos retrocessos e avanços na política ambiental em 2017


*LUCIANA LANNA

24/12/2017

Já não é de hoje que as questões ambientais têm sido, progressivamente, protagonistas na sociedade brasileira. Além disso, nos últimos anos, o Direito Ambiental vem ocupando lugar de destaque no âmbito governamental.

Apesar da atenção e comoção que o tema tem gerado, ao analisar com um olhar crítico o passado, fica claro que o contexto no qual o Direito Ambiental se desenvolve não é positivo.

Dessa forma, elencamos algumas questões que merecem destaque nesse balanço retrospectivo.

Desmatamento

Em maio de 2017 completamos 5 anos da vigência do Código Florestal, mas sem muito a comemorar. O seu objetivo é justamente conciliar conservação ambiental com produção agropecuária e desenvolvimento socioeconômico, mas estamos longe de alcançar essa relação.

O Código Florestal ainda apresenta problemas na implementação, como a falta de regulamentação dos instrumentos, especialmente o Cadastro Ambiental Rural, um dos principais alvos das ressalvas feitas pelas organizações ambientais pela falta de mecanismos efetivos de monitoramento e aplicação de penalidades mais severas.

Dessa forma, infelizmente a conclusão forçosa é que o novo Código Florestal contribuiu para o aumento do desmatamento em 75% desde que as mudanças foram aprovadas, a partir de 2013.

Diante desses resultados ultrajantes, em junho de 2017 a Noruega cortou o repasse ao Fundo da Amazônia à metade.

Ainda relacionado ao tema desmatamento, houve também grande clamor público em torno da tentativa do governo em extinguir a Reserva Nacional do Cobre e associados (RENCA). Neste caso, o que mais chamou a atenção foi a falta de informação técnica e a fragilidade do atual governo, visivelmente desprovido de política ambiental consistente.

É fato que a desafetação da RENCA deveria ter sido proposta com maior planejamento e envolvimento do Ministério do Meio Ambiente, mas não há que se falar em prejuízo ambiental já que a RENCA nunca foi unidade de conservação, não tendo sido concebida como espaço ambientalmente protegido e dificilmente geraria aumento no desmatamento, ao contrário, coibiria o garimpo e a exploração ilegal de madeira na Amazônia.

Sem falar que, mesmo com sua extinção, grande parte da área (70%) continuaria bloqueada em face das unidades de conservação e terras indígenas presentes em seu território.

Lei Geral do Licenciamento Ambiental

Também muito se discutiu sobre a Lei Geral do Licenciamento Ambiental, em vias de ir a Plenário. É fato inconteste que o direito brasileiro urge por uma lei geral disciplinadora da matéria.

Atualmente, o licenciamento está previsto em legislação esparsa, desde a Lei Complementar nº 140/2011, tão necessária para disciplinar a definição de competência dos órgãos ambientais até resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), em grande parte setoriais e instruções normativas de cada órgão ambiental com procedimentos diversos.

O objetivo da lei é mitigar a principal fragilidade do ordenamento jurídico ambiental, que é a consolidação da prática do licenciamento, concedendo-lhe legalidade e, consequentemente, reduzindo a judicialização das questões do direito ambiental e fomentar a eficiência no processo de licenciamento.

No entanto, um dos seus fundamentos para a realização desses objetivos é, ao mesmo tempo, considerado um ponto polêmico do projeto: a ampliação do papel dos estados e municípios para a condução do licenciamento.

O motivo da polêmica fundamenta-se no temor de uma guerra fiscal ambiental. Trata-se de análise precipitada e infundada. Na escolha da localização de um empreendimento fatores como logística, mercado e mão de obra tendem a pesar mais do que possíveis facilidades no processo de licenciamento e, em outras atividades, a rigidez locacional se dá pela sua própria natureza, como por exemplo, a exploração de uma jazida mineral ou de aproveitamentos hidrelétricos.

Sem falar que a federação brasileira se constitui a partir da premissa de que, para um melhor governo, a tomada de decisão nas três esferas de poder deverá, sempre que possível, ser praticada mais próxima dos fatos que a originaram e dos seus destinatários.

Desta forma, para se evitar possíveis irregularidades cometidas pelos estados e municípios, não se deve restringir sua capacidade de atuação e sim assegurar a fiscalização efetiva dos seus atos.

Em todo caso, o projeto de lei é positivo para o direito ambiental, e atualmente encontra-se pronto para pauta no Plenário da Câmara dos Deputados.

Mudanças Climáticas: Acordo de Paris

Também foi assunto recorrente a retirada dos EUA do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas. A repercussão política de sua saída é tão grave quanto a repercussão ambiental.

Com a recusa de Trump em contribuir com o fundo climático, cujo objetivo é acelerar a transição energética dos países em desenvolvimento, assim como sua adaptação aos efeitos do aquecimento, enaltece a discussão entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento (leia-se China, Coreia do Sul, Cingapura e das nações ricas em petróleo) de quem cobrirá o saldo negativo.

A saída dos EUA afetou o otimismo em torno do Acordo de Paris e, infelizmente, a discussão corre sério risco de esvanecer em razão da questão financeira.

O que, no entanto, é incontestável, é que se não houver mudanças drásticas no paradigma de produção industrial e consumo, o aumento dos eventos climáticos extremos será progressivo e sistemático.

Neste ano dois furacões de força 4 (Harvey e Irma) atingiram o continente americano. Ondas de calor assolaram o Oriente Médio e a Argentina, sem falar nas secas e calor intenso que ocasionaram incêndios florestais de proporções bíblicas em uma série de países.

O Brasil, na contramão, apresentou aumento no seu desmatamento, sendo ainda insatisfatório o ritmo do desenvolvimento de uma política energética com matriz diversificada e limpa.

As questões destacadas nesse artigo possuem como pano de fundo a difícil relação entre desenvolvimento econômico e preservação ambiental. A mudança de paradigma é urgente. Se não houver a inserção de fato da sustentabilidade socioambiental como critério de desenvolvimento, não haverá avanços e os governos e a sociedade assumirão sempre uma conduta reativa diante de questões que envolvem a própria viabilidade existencial humana.

É fato que a problemática ambiental sempre parte da exploração dos recursos naturais sem critérios, motivada por valores de dominação e colonização, materializados na capacidade de posse econômica e consumo (http://revistas.ufpr.br/made/article/view/13427/9051).

Dessa forma, a instituição de políticas públicas e o exercício de poderes governamentais de nada adiantarão se a mudança de paradigma não for apoiada numa mudança moral e ética.

* Luciana Lanna, advogada especializada em Direito Ambiental, sócia de Viseu Advogados

sábado, 16 de dezembro de 2017

Linha da pobrezas oma 50 milhões de brasileiros

Cerca de 50 milhões de brasileiros, o equivalente a 25,4% da população, vivem abaixo da linha de pobreza e têm renda familiar mensal equivalente a R$ 387,07
por pessoa – ou 5,5 dólares por dia em valores de 2016, padrão adotado pelo Banco Mundial pa￾ra definir se uma pessoa é pobre. Os dados foram divulgados ontem pelo IBGE e fazem parte da pesquisa Síntese de Indicadores Sociais 2017. Ela indica, ainda, que o maior índice de pobreza se dá na região Nordeste do país, onde 43,5% da população
se enquadram nessa situação e, a menor, no Sul: 12,3%. A situação é mais grave se levadas em conta as estatísticas do IBGE envolvendo crianças de 0 a 14 anos de idade. No país, 42% das crianças nesta faixa etária se encaixam nestas condições.
A pesquisa revela que o país é desigual em todos os níveis, seja por regiões, por gênero - as
mulheres ganham, em geral, bem menos que os homens mesmo exercendo as mesmas funções -, seja por raça e cor: trabalhado￾res pretos ou pardos respondem pelo maior número de desempregados, têm menor escolaridade, ganham menos, moram mal e começam a trabalhar mais cedo.
Conforme o estudo, entre as pessoas com os 10% menores rendimentos do país, a parcela
da população de pretos ou pardos chega a 78,5%, contra 20,8% de brancos. Mostra ainda que a renda per capita dos 20% que ganham mais (R$ 4,5 mil) chega a ser mais de 18 vezes que o rendimento médio dos que ganham
menos e com menores rendimentos por pessoa – cerca de R$ 243.

Os dados da Síntese de Indicadores Sociais 2017, divulgada pelo IBGE, indicam que, quanto menos escolaridade, mais cedo o jovem ingressa no mercado de trabalho. A pesquisa demonstra que 39,6% dos trabalhadores entraram no mercado de trabalho com até 14 anos. O levantamento indica também que este percentual cresce para o grupo que tinha somente até o ensino fundamental incompleto, chegando a atingir 62,1% do total, enquanto que, para os que têm nível superior completo, o percentual despenca para 19,6%.
Ainda sobre o trabalho precoce, o IBGE constata que, em 2016, a maior parte dos trabalha￾dores brasileiros (60,4%) começou a trabalhar com 15 anos ou mais de idade. Entre os trabalhadores com 60 anos ou mais houve
elevada concentração entre aqueles que começaram a trabalhar com até 14 anos de idade (59%).
Entre as mulheres foi maior a participação das que começaram a trabalhar com 15 anos ou mais de idade (67,5%) quando compa￾radas com a dos homens (55%).
O estudo aponta que o percentual de jovens que não trabalham nem estudam aumentou 3,1 pontos percentuais entre 2014 e 2016, passando de 22,7% para 25,8%. No período, cresceu o percentual de jovens que só estudavam, mas diminuiu o de jovens
que estudavam e estavam ocupados. O fenômeno ocorreu em todas as regiões do Brasil. No Sul, subiu de 17% para 18,7%.

Correio do Povo  - 16/12/2017