terça-feira, 26 de maio de 2015

A expansão das multinacionais (aula)

Estou trabalhando com a turma 91 os espaços da globalização, destacando o desenvolvimento tecnológico e o surgimento das grandes corporações (indústrias, mineradoras, bancos, telecomunicações) e a concentração da sua atividade  nos setores da economia mundial.
Iniciei, já na aula 2, com imagem  de um grande empresa na área de bebidas, Coca Cola, depois utilizei as empresas no entorno da escola, uma rede internacional de hipermercado.
Então achei um texto muito bom que dá subsídio, usando trechos dele na sala de aula, para explicar os setores da economia mundial que as multinacionais concentram suas atividades, também os motivos que elas excolhem  os países em desenvolvimento.
É importante destacar que o autor relaciona o rankink das principais multinacionais com o PIB de vários países do mundo vendo assim a dimensão econômica  dessas empresas. Então fiz um material com as dez maiores multinacionais do mundo que empregam 7 milhões de pessoas. Na aula anterior (aula 1) identifiquei com os alunos as revoluções tecnológicas destacando o desenvolvimento tecnológico, também usei, para exemplificar a apropriação da força de trabalho uma história em quadrinhos para mostrar a ampliação das corporações  nos países em desenvolvimento.

Este texto é extraído do blog  CARLOS - professor de Geografia.

O COMANDO DAS TRANSNACIONAIS


          A globalização de produção é liderada pelas companhias transnacionais, que funcionam como destacamentos avançados da Tríade Imperial no interior de cada um dos países em que possuem filiais, não só buscando a valorização do capital, mas também influenciando a política econômica destas nações. Estas corporações, com as suas redes de filiais espalhadas pelo mundo, têm a possibilidade, especialmente na periferia, de se aproveitar das melhores possibilidades de cada país, em termos de matérias-primas, mão-de-obra barata, concessões fiscais e creditícias e podem ainda articular a produção em escala global, rompendo assim os estreitos limites da produção nacional e eventual escassez de matéria-prima ou mão-de-obra.

          Em outras palavras, as transnacionais transformaram o mundo numa imensa reserva de matérias-primas e mão de obra à sua disposição. Ganharam a flexibilidade para a reprodução ampliada do capital a partir de bases internacionais, quer segmentado as peças, de acordo com o menor custo de produção, e montando o produto final nos países centrais, quer fabricando o produto inteiro e vendendo-o nos próprios países onde é fabricado, ou simplesmente podendo desenhar o produto num país, fazer o protótipo em outro e produzir em massa onde haja a mão-de-obra mais barata (como ocorre com o tênis NIKE) e posteriormente vender a mercadoria no mercado mundial.

          As companhias transnacionais compreendem um conjunto de cerca de 63 mil matrizes e cerca de 690 mil filiais (WIR, 20000), além de um conjunto de milhares empresas a elas vinculadas (fornecedores, comerciantes etc.), cujo espaço geográfico envolve praticamente todas a regiões do planeta. Do conjunto destas corporações o que conta mesmo são as 100 principais, cuja produção representa o núcleo mais dinâmico da produção mundial. “As filiais estrangeiras das 100 primeiras empresas transnacionais concentram sua atividade principal na área de equipamentos eletrônicos e elétricos, automóveis, petróleo, produtos químicos e produtos farmacêuticos” (WIR, 2002). Ressalta-se que neste grupo de grandes conglomerados, até 2001, constava apenas uma empresa da periferia, a Petróleo de Venezuela – PDVSA. No relatório de 2002, estão listadas mais duas empresas desse grupo de países: A Whampoa, de Hong Kong, e a Cemex, do México. Portanto, das cem maiores do mundo, apenas três pertencem a países da periferia.

          Para se ter uma ideia do peso das corporações transnacionais na economia mundial, continuamos expondo mais dados do relatório da Unctad: o produto bruto associado à produção internacional e às vendas das filiais estrangeiras destas corporações aumentou mais rápido que o produto bruto mundial. Em 1980, aumentou mais rápido que o produto bruto mundial. Em 1980, as vendas destas empresas em todo o mundo somaram US$ 3 trilhões, 1999 já atingiram US$ 14 trilhões, representando quase o dobro das exportações mundiais no período. O produto bruto das vendas no estrangeiro representa uma décima parte do produto bruto mundial, enquanto em 1982 representava somente a vigésima parte (WIR, 2000). Esses dados demonstram o imenso poder econômico que as corporações possuem e provam que a produção mundial tem sua dinâmica centrda nos negócios realizados por etas empresas.

          Esse poderio po ser verificado examinando-se o ranking destas empresas e sua relação com o PIB de vários países do mundo. Por exemplo, as sete maiores firmas tem um volume de negócios anual de US$ 961 bilhões, portanto semelhante ao PIB da China, o país mais populosos do mundo. As seis maiores têm um um volume de negócios maior que o PIB do Brasil. As cinco maiores geram recursos maiores que o PIB das Ásia Sul (inclusive a Índia). A General Motors, Daimler, Crysler e Ford, com negócios somando 460,3 bilhões, superam o PIB da Índia. Somente a General Motors e a Daimler tem volume de negócios maior que o PIB da Rússia. Ou somente a General Motors tem um volume de negócio anual maior que os 48 países menos avançados (Toussaint, 2002, p. 57). Por esses dados pode-se ver claramente a dimensão econômica das corporações transnacionais e o imenso potencial que possuem para influenciar as políticas governamentais dos países da periferia no sentido de atender aos seus interesses.

          Além do gigantismo econômico, essas empresas controlam vários setores da economia mundial,  do comércio aos ramos de produção propriamente ditos. Por exemplo, no setor de micro-processadores, apenas o grupo Intel controlava, em 1977, 60% de todo o mercado mundial. Na aeronáutica civil, somente dois grupos, Boeing e Airbus, detinham, em 1998, 95% da produção mundial. No setor de equipamentos para telecomunicações, em 1997, quatro grupos possuíam mais de 70% das vendas mundiais. No setor de bancos de imagens, em 1994, três empresas eram responsáveis por 80% da produção mundial. No setor de fumo, apenas três empresas controlavam 87% de tudo que era comercializado no mercado mundial. No setor de material médico, cinco empresas detinham em, 1989, 90% da produção mundial (Toussaint, 2002, p. 64).

           No que se refere ao comercio mundial, as transnacionais não só romperam as tradicionais teorias das vantagens comparativas, ao transformar o comércio intra-firma num elemento fundamental do comercio mundial, atualmente por volta de 40% do volume global, como controlam 70% do comércio mundial. O comércio intra-firma não obedece aos preços internacionais de mercado, posto a que relação entre matriz e filial é de inteira subordinação por parte da segunda. Neste caso, são bem conhecidas as formas com que as filiais transferem renda para as matrizes. Existe farta documentação sobre os processo de superfaturamento o (venda da matriz para a filial a preços acima do mercado) e subfaturamento (venda de filial para a matriz a preços abaixo do mercado). A essa nova forma de transferência de recursos da periferia para o centro os especialistas procuram dar o nome pomposo de preços de transferências.

          As transnacionais também controlam com mão de ferro a inovação tecnológica, bastando dizer que 95% da pesquisa e desenvolvimento mundial são realizados nos países da organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a  elite do grande capital mundial.

A transnacional é o único participante do sistema de inovação que pode escolher entre  três forma de valorização de suas atividades de pesquisa e desenvolvimento: a produção de bens para a exportação, baseada em inovação de processos ou incorporando inovações de produtos; a venda das patentes ou concessões de licença, cedendo o direito de utilizar as inovações , por fim e sobretudo, a exploração das tecnologias no interior do espaço privado dos grupos. (Chesnais, 1996, p. 147)

          A concentração das inovações tecnológicas por parte das corporações transnacionais é fruo de privatizações do conhecimento, que vem se consolidando desde o aparecimento dos monopólios no início do século passado. Esse processo faz com que, cada vez mais, as tecnologias avançadas passem a ser criadas nos países centrais, retando aos países periféricos apenas a utilização das inovações, sem a transferência dos padrões e códigos que permitam desenvolver e internalizar esse conhecimento. Dessa forma, amplia-se de maneira geométrica o fosso tecnológico entre os países centrais e os periféricos, fato que vem se consolidando com a maior rapidez após os acordos do Gatt (Acordo Geral para Tarifas e Comércio), atualmente substituídos pela Organização Mundial do Comércio.

          Esses acordos, elaborados a partir das pressões dos grandes grupos, reforçam os direitos de propriedade, impedem o desenvolvimento de produtos semelhantes e permitem que as corporações se apropriem, inclusive, da biodiversidade mundial e do intenso patrimônio do saber popular acumulado ao longo da história da humanidade.

As trasnacionais da bioindustria agrlimentar(...) percorrem o mundo para estabelecer seus direitos de "descoberta" fazendo registrá-lo no seu nome. Pilham assim o partimonio elaborado pacientemente pela humanidade. (Toussaint, 2001, p. 152)

          Enquanto concentram a tecnologia de ponta nos países de origem, desenvolvem políticas que visam depreciar os trwmos de troca entre o Norte e Sul, em função do controle que exercem no comércio mundial.  Por exemplo, o preço da tonelada de soja, em m1908, era de US$830, caiu para US$447,3 em 1990 e US$336,20 em 2000. O preço do café robusta (centavos por quilo) decresceu de US$450,5 em 1990 para US$90,8 em 2000. A laranja, que em 1980 caLIA us$555,8 a tonelada retrocedeu para US$361,40 em 2000. O minério de ferro, que custava US$39 centavos a tonelada caiu para US$28,6; a prata que despencou de US$2.866,1 centavos-onça para US$497, todos no mesmo período. Os dois úncios produtos que opbtiveram algum aumento de preço no nperíodo foi a maedira cortada da Malásia, que subiu de US$500 o metro cúbico para US$593 no período considerado e o zinco, que crescedu de US$105,7 centavos por queilo para US$112,2 entre 1980 e 2000 (Toussaint, 2001, p.81).

          Em termos de perspectiva, as relações de trocas desiguais e o monopólio tecnológico criam um círculo vicioso nas relações entre as nações e aprofundam proporcionalmente o atraso em que esses países vivem desde os tempos em que o capital internacional passou a delimitar o seu destino.

Tudo converge para que esses países permanençam prisioneiros de especializações tornadas obosoletas pela evolução dos conhecimentos cientificos e das tenologicas acumuladas pelos países avançados, especialmente dentro dos grandes grupos. Como antigos países colonizados, herdeiros de aparelhos estatais herdados da potência tutelar, com elites dirigentes formadas nas escola do parasitismo e da corrupção, eles ficam praticamente sem meios de defesa dianate dessa evoluções. (Chesnais, 1986, p.211)

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Lista de Mapas dos Países do Mundo - Por ordem alfabética

Agora você pode conhecer o mapa de cada um dos países do mundo. É só acessar  a nossa lista de mapa dos países do mundo por por ordem alfabética.
Mapa do Brasil. Fonte: IBGE
Arábia Saudita 
Argélia 
Argentina 
Armênia 
Austrália 
Áustria 
Azerbaijão

B
C

E
Gana 
Guiana

I

J

M
N

O

P
Peru

Q

R

S
Suriname

T

U
Uruguai



Fonte: http://suburbanodigital.blogspot.com.br/

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Plano de aula: sem tetos: Todos nós temos uma história


video


Plano de Aula do Filme Rua São Paulo | Documentário | De Daniel Massaranduba, Guilherme Ribeiro | 2002 | 16 min | SP

Os sem teto vivem à margem da nossa sociedade, muitas vezes passamos por moradores de rua e nem sequer olhamos para aqueles seres humanos que estão vivendo em condições tão precárias. Por trás de cada rosto existe uma história e um motivo que o levou a estar nessa situação. "Rua São Paulo" retrata a problemática dos sem-teto no Centro de São Paulo, abordando o ponto de vista dos que hoje vivem em ocupações provisórias como albergues, hotéis sociais, prédios invadidos, entre outros. O vídeo documenta as dificuldades sociais e a rotina diária de diferentes pessoas nessas condições, mostrando sua triste realidade social.


Pedagogo Autor do Plano de Aula
jussara 



Objetivos
- Sensibilizar os alunos sobre a realidade dos sem-teto.
- Refletir sobre as razões que levaram as pessoas a morarem na rua.
- Abordar a questão da moradia nos grandes centros urbanos.
-Relacionar urbanização e planejamento urbano.

Situação Didática
1° momento
Em uma roda de conversa, como forma de sensibilizar os alunos para o tema que está sendo trabalhado, mostre imagens de moradores sem teto, questione o que eles sentem quando visualizam cada imagem, quais os reais motivos que fizeram com que essas pessoas vivessem em condições tão precárias. Peça para que eles imaginem uma história de vida para cada uma das pessoas presente nas imagens, e socialize as impressões dos alunos. Em seguida assista com eles o curta "Rua São Paulo"
2° momento
Peça para que os alunos se dividam em grupos e pesquisem:
- Como se deu o processo de urbanização de São Paulo
- Existiu planejamento de obras para habitação, saneamento, transporte, etc
- Quais os principais problemas enfrentados pelos paulistas em consequência do processo de urbanização não planejado
-Quais os projetos de habitação social existentes atualmente.
Peça para que os alunos socializem os resultados encontrados.

3° momento
Divida a sala em dois grupos e proponha um debate. Um grupo deverá defender os sem teto como vítimas da sociedade enquanto o outro grupo defenderá que essa situação em que eles vivem é provocada por eles mesmos. Cada grupo deverá fundamentar seus argumentos, para isso deverão pesquisar sobre o tema tentando responder: De quem é a responsabilidade por aquela situação? Do sem teto? Do poder público? Da sociedade?
Escolha um mediador para o debate, que pode ser você e defina junto com os alunos quais serão as regras, prevendo tempo de fala de cada grupo, réplica e tréplica bem como quantos momentos terão o debate.

4° momento
Ao final do debate cada grupo deverá produzir um artigo de opinião coletivo, propondo soluções ou estratégias para a superação dessa condição a partir da perspectiva que tiveram que defender. Os textos elaborados podem ser publicados no blog ou jornal da escola e encaminhados ao poder público.

Fonte: site "Curta na Escola"

Latuff e os dois anos da tragédia na Kiss

Fonte: SUL21

Leia também:
http://outrolhargeografico.blogspot.com.br/2013/07/geografias-da-tragedia.html

domingo, 14 de dezembro de 2014

Enade 2014 - Todas as questões objetivas específicas de Geografia (Licenciatura), com gabarito


Enade 2014  - Questão 09 - As noções de cidadania e justiça social  estão correlacionadas às transformações espaciais no campo e nas cidades brasileiras.Considerando a reflexão acima, avalie as afirmações a seguir.
I. A expressão "cidades de todos os janeiros no Brasil"  surge com a morte trágica, no período das chuvas, de centenas de pessoas ocupantes das chamadas "áreas de risco" (nas regiões Sul e Sudeste); essas áreas foram conformadas, sobretudo, no contexto da migração rural-rurbana, após a década de 1940, no cerne da chamada "modernização conservadora do país."
II. Parte das injustiças sociais vigentes no país reflete uma crise instalada, oriunda da relação capital-trabalho, que impacta reciprocamente o campo (nas dimensões produtiva e cultural)e as cidades (no viés morfológico e do cotidiano).
III. Nas áreas de expansão agrícola (CO, N e NE), as quais atendem às demandas do agronegócio em termos de comércio e serviços, falar em "cidades do campo" exige o reconhecimento do esfacelamento concomitante das pequenas propriedades e do modo de vida rural tradicional. correto o que se afirma em
a) I, apenas.
b) II, apenas
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III
Enade 2014 - Questão 10 - Os três trechos apresentados abaixo referem-se a aspectos inerentes às transformações que ocorreram no capitalismo durante o século XX e o início do século XXI.
I. Como produção de massa requer condições de demanda relativamente estáveis para ser lucrativa, o Estado se esforça para controlar ciclos econômicos por meio de uma combinação de políticas fiscais e monetárias. Essas políticas são dirigidas para as áreas de investimento público - em setores como o transporte, os equipamentos públicos etc -vitais para o crescimento da produção e do consumo de massa, e também garantem um emprego relativamente pleno.
II. Mudanças nos processos de trabalho, dos mercados, dos produtos e de padrões de consumo, servem de apoio ao surgimento de setores de produção inteiramente novos, novas maneiras de fornecimento de serviços financeiros, novos mercados e, sobretudo,taxas altamente intensificadas de inovação comercial, tecnológica e organizacional.
III. Deve ser encarado mais como um modo devida total do que um sistema de produção em massa; sua disseminação encontra resistências, como a não aceitação por parte dos trabalhadores de um sistema com longas horas de trabalho rotinizado. HARVEY, D. Condição pós-moderna 16 ed. São Paulo: Loyola, 2007 (adaptado). 
Os trechos descrevem, respectivamente,
a) Acumulação Flexível, Fordismo e Keynesianismo.
b) Keynesianismo, Acumulação Flexível e Fordismo.
c) Keynesianismo, Fordismo e Acumulação Flexível.
d) Fordismo, Acumulação Flexível e Keynesianismo.
e) Acumulação Flexível, Keynesianismo e Fordismo.
Enade 2014 - Questão 11

SOUZA, M. J. L. O território: sobre espaço e poder. Autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORREA, R. L. (Org.).Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
A figura apresentada demonstra uma hipotética territorialidade móvel em uma área de obsolescência de uma cidade em dois momentos distintos.
O conceito de território presente na figura permite afirmar que se trata de
a) uma abordagem que considera os critérios político-administrativos da cidade em questão.
b) uma abordagem pautada em aspectos culturais que envolvem questões subjetivas.
c) uma compreensão de território como sendo um campo de força, uma teia ou rede de relações sociais a par de sua complexidade interna.
d) uma concepção de território que considera a ideologia e os sentimentos pátrios como identidade cultural.
e) um planejamento territorial público com o objetivo de diminuir a exclusão sócio-espacial.

Enade 2014 - Questão 12
Os analistas reconhecem que, na atualidade, já não prevalece o cenário de rivalidades entre os estados nacionais que caracterizou a América do Sul até os anos 1990. Entretanto, ainda há questões relacionadas a antigas divergências e de potenciais conflitos, conforme apresentado no mapa abaixo.

COSTA, W. M. O Brasil e a América do Sul: cenários geopolíticos e os desafios da integração. Disponível em: http://confins.revues.org. Acesso em: 19 ago. 2014 (adaptado).

Considerando o mapa e o contexto geopolítico da América do Sul, avalie as seguintes afirmações.
I. Entre a Colômbia e a Venezuela afloram questões de demarcação e controle fronteiriço, que são dirimidas em virtude dos acordos conjuntos de livre-comércio com os Estados Unidos.
II. Na fronteira entre o Peru e o Equador persiste um antigo contencioso fronteiriço que já levou esses países a diversos conflitos, inclusive de mobilização militar.
III. O mais emblemático imbróglio geopolítico do continente sul-americano é o representado pela questão da saída da Bolívia para o oceano Pacífico.

É correto o que se afirma em
a) I, apenas.
b) III, apenas.
c) I e II, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.
Enade 2014 - Questão 13
O progresso técnico e os fatores institucionais facilitam o transporte de bens e pessoas, as comunicações e amobilidade do capital, redundando no aumento de inter-relações e interdependência econômica entre firmas,cidades e países. A rede urbana sofre transformações sob o efeito da globalização econômico-financeira,assim, a complementaridade entre centros urbanos de mesmo nível hierárquico conhece um aumento.
SOUZA, M. L. ABC do desenvolvimento urbano. 6 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011 (adaptado).
Com base na figura e o texto, em relação às noções sobre a rede urbana, é correto afirmar que
a) na noção atual, a rede urbana hierárquica mantém-se e é superposta por novos fluxos de capitais e bens.
b) na noção clássica, o progresso técnico, apesar de determinar a noção de hierarquia urbana, restringia o fluxo de capitais e de pessoas.
c) na noção clássica, as cidades pequenas mantêm relações hierárquicas com cidades médias e anárquicas com metrópoles nacionais.
d) na noção atual, as metrópoles nacionais perdem seu poder hierárquico face à ampliação dos papéis das cidades médias e das metrópoles regionais.
e) na noção atual, as cidades pequenas rompem relações com centros intermediários e o fluxo de capital segue direto para metrópoles regionais e nacionais.

Enade 2014 - Questão 14
A partir do mapa apresentado e conteúdo correlato, avalie as afirmações a seguir.
I. Para o interior, a partir do megaespaço urbano da metrópole paulistana, as áreas em direção a Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Araçatuba (SP) apresentaram dinamismo populacional. Esse dinamismo se estende para o Triângulo Mineiro, em direção a Mato Grosso do Sul (MS), em uma extensa região central de Mato Grosso, extremo sul de Goiás e uma área que incorpora as aglomerações de Goiânia(GO), Brasília (DF) e municípios na divisa com Minas Gerais.
II. A aglomeração de Brasília (DF) é o principal centro de gestão pública, atraindo migrantes de todo o País. um modelo moderno de cidade e consolida seu papel na hierarquia do sistema urbano brasileiro por força de sua criação e função de capital federal. Goiânia (GO) e Brasília (DF), conjuntamente,reestruturaram o sistema urbano brasileiro criando um novo arranjo espacial no centro do país.Goiânia é uma aglomeração urbana dinâmica e elemento importante na estruturação do espaço regional, tornando-se polo de relações comerciais no Centro-Oeste.
III. Na região Norte, o fraco crescimento populacional apresenta especificidades na espacialização da população: maior estabilidade no surgimento e crescimento de pequenos centros urbanos, tais como hábitats rurais, núcleos de garimpagem e enclaves de grandes empreendimentos; consolidação de centros urbanos regionais de grande porte como Parintins, Itacoatiara e Tabatinga (AM), Altamira,Itaituba, Marabá, Santarém, Redenção e Parauapebas (PA), Araguaína (TO), entre outros; e, por último,menor concentração populacional nas aglomerações de Manaus (AM), Belém (PA) e Macapá (AP).
É correto o que se afirma em
a) I, apenas.
b) III, apenas.
c) I e II, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.

Enade 2014 - Questão 15

O Brasil possui uma área territorial de 850 milhões de hectares. Desse total, as unidades de conservação ocupavam 104 milhões, as terras indígenas 128 milhões e 30 milhões as "outras terras"(águas territoriais,áreas urbanas, rodovias). Em 2006, o Censo Agropecuário apontou mais de 333 milhões de imóveis cadastrados, todavia, não esclareceu a situação dos 257 milhões de hectares restantes, que são compostos por terras devolutas, públicas e/ou ilegais. Além disso, os dados da tabela mostram a concentração da terra no país, herança de um processo histórico que privilegiou um modelo de desenvolvimento rural centrado na grande propriedade. Exatamente por isso, 0,92% das propriedades acima de 1 000 hectares ocupam quase 45% de toda área cadastrada, enquanto 62,1% das propriedades com até 20 hectares ocupam apenas 5,4%.Assim, uma reforma agrária verdadeira seria um passo importante para uma ampla mudança social.
OLIVEIRA, A. U. Modo de Produção Capitalista, Agricultura e Reforma Agrária. São Paulo: Labur Edições, 2007 (adaptado). 
Considerando a tabela e o texto, avalie as seguintes afirmações.
I. As pequenas propriedades, com áreas de mais de 0 a menos de 10 ha, estão em maior número no Brasil.
II. Os 0,30% das propriedades com áreas de 2 500 ha ou mais ocupam área superior a todas propriedades de menos de 200 ha.
III. Os 0,92% das propriedades com áreas de 1 000 ha ou mais ocupam uma área um pouco menor que o total das terras indígenas e das outras terras.
É correto o que se afirma em
a) I, apenas.
b) III, apenas.
c) I e II, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III

Enade 2014 - Questão 16 - Segundo estudo da Organização Internacional do Trabalho - OIT, o fenômeno dos jovens que não trabalham nem estudam (geração "nem-nem") cresce em todo mundo. No Brasil, o relatório destaca que a taxa da geração "nem-nem" é maior entre as mulheres negras que entre homens com a mesma idade (15 a 29 anos). O IBGE mostra uma população de 9,6 milhões de jovens, a maioria mulheres, que integra o grupo dos "nem-nem", ou um em cada cinco brasileiros na faixa entre 15 a 29 anos.
Disponível em: http://www.economia.estadao.com.br .Acesso em: 28 jul. 2014 (adaptado). Considerando o fenômeno geração "nem-nem" que produz mudanças no mundo do trabalho,avalie as seguintes afirmações.
I. O texto revela que o fenômeno da geração dos que nem trabalham e nem estudam cresce no mundo todo, o que permite deduzir que não é um problema apenas dos países em desenvolvimento como o Brasil.
II. O estudo da OIT demonstra um nível preocupante de desemprego da população jovem mundial, que também não está buscando uma capacitação profissional e educacional, o que compromete amobilidade social.
III. O Brasil se destaca na pesquisa dos "nem-nem" pelo índice de mulheres negras nessa situação, o que confirma um grave problema social brasileiro: historicamente, os negros apresentam indicadores sociais mais baixos.
IV. A maioria dos que integram o grupo dos "nem-nem"são mulheres, o que torna os dados intrigantes, pois as mulheres se destacam no mercado de trabalho, e a maternidade faz com que a escolaridade e o crescimento profissional sejam contínuos.
É correto apenas o que se afirma em
a) I e IV.
b) II e III.
c) III e IV.
d) I, II e III.
e) I, II e IV

Enade 2014 - Questão 17
Os agentes sociais produtores do espaço urbano são aqueles que "fazem e refazem a cidade":
(I) os proprietários dos meios de produção (especialmente os industriais), (II) os proprietários fundiários, (III) os promotores imobiliários, (IV) o Estado e (V) os grupos sociais excluídos. 

CORREA, R. L. O Espaço Urbano. 3 ed. São Paulo: Ática, 1995 (adaptado).

Sobre esse assunto, é importante dizer que há relação de conflito entre os agentes assinalados com I, II, III e IV, e os agentes assinalados com V, dadas as suas posições divergentes no sistema econômico capitalista, o que se reflete nas cidades.
Considerando a realidade urbana brasileira,poder se afirmar que o conflito se faz em razão de que, enquanto o primeiro grupo de agentes atua direta ou indiretamente no sentido da reprodução capitalista do espaço, os grupos sociais excluídos
a) determinam o processo produtivo do espaço urbano.
b) atuam no sentido da reprodução da força de trabalho e se incluem na cidade, de acordo com o valor que sua renda pode pagar.
c) ocupam espaços ociosos deixados pelos agentes do primeiro grupo e atuam no sentido da especulação imobiliária.
d) promovem ao espaço urbano um caráter segregatório, pois, em função da sua baixa renda,ocupam a periferia das cidades.
e) lutam pelos mesmos interesses do primeiro grupo, dado o contexto da ideologia capitalista
Enade 2014 - Questão 18 -

A Terceira Revolução Industrial foi responsável por uma nova configuração espacial do mundo, a qual o geógrafo Milton Santos denominou de meio técnico-científico-informacional. Os objetos técnicos passam a ser, ao mesmo tempo, técnicos e informacionais, reorganizando o espaço com
a) uma intencionalidade que extrapola os limites nacionais, permitindo uma organização do espaço geográfico através de redes que ampliam os fluxos possíveis, mesmo sem a fixação concreta das atividades produtivas em muitos pontos do espaço.
b) uma ampliação das desigualdades em escala global, reduzindo a importância dos capitais fixos (estradas,pontes, silos etc) e dos capitais constantes (maquinário, veículos, fertilizantes etc).
c) uma maior propagação da informação e menor difusão das técnicas em escala global, fazendo com que as especializações produtivas sejam solidárias em nível mundial, apesar da inserção periférica de diversas partes do globo no processo produtivo.
d) uma coexistência de pontos contínuos e contíguos, implicando em verticalidades formadas por pontos que se agregam sem descontinuidade e horizontalidades com pontos que, mesmo separados uns dos outros, asseguram o funcionamento da economia.
e) um conteúdo técnico e científico, substituindo um meio técnico por um meio cada vez menos artificializado, isto é, sucessivamente instrumentalizado a parir dos interesses dos grupos hegemônicos
Enade 2014 - Questão 19
O Brasil ingressou na modernidade pela via autoritária, e o projeto geopolítico do Brasil-Potência, elaborado e gerido pelas Forças Armadas,deixou marcas profundas sobre a sociedade e o espaço nacionais. A economia brasileira alcançou a posição de oitavo PIB do mundo, seu parque industrial atingiu elevado grau de complexidade e diversificação, a agricultura apresentou indicadores flagrantes de tecnificação e dinamismo, e uma extensa rede de serviços interligou a quase-totalidade do território nacional. 
BECKER, B. K.; EGLER, C. A. G. Brasil: uma nova potência regional na economia-mundo. 8 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011 (adaptado).
A obra Brasil: uma nova potência regional na economia-mundo trata da modernização conservadora, pela qual o Brasil desenvolveu o seu projeto geopolítico de inserção na economia-mundo,de forma cada vez mais industrializada e urbana.A parir das informações apresentadas, a expressão "modernização conservadora" é definida como a ação do Estado brasileiro no sentido de

a) consolidar o seu parque industrial e o seu processo de urbanização, consorciados à economia agro-exportadora da soja, incorporando-se à economia-mundo segundo os ditames capitalistas vigentes.
b) dotar o país da infraestrutura necessária ao desenvolvimento industrial, à custa de um forte endividamento externo, da concentração de renda e da ampliação de desigualdades sociais,sustentadas por um aparato militar autoritário.
c) dotar o território de aparato técnico adequado à exportação dos produtos agrícolas, os quais passaram a compor o volume necessário de divisas para os investimentos ora em curso em favor da indústria brasileira.
d) inserir o Brasil na economia-mundo pela exportação de produtos semi-manufaturados, os quais eram produzidos pela incipiente indústria nacional, ainda de caráter manufatureiro,incorporando a mão de obra em formação.
e) incorporar a indústria nacional ao cenário mundial pela via da importação de todo o aparato industrial necessário à montagem da indústria de base, tendo como contra partida a exportação de produtos agrícolas
Enade 2014 - Questão 20
Os sistemas frontais são os fenômenos meteorológicos que mais influenciam o tempo em nosso continente. A observação desses fenômenos é uma forma de interpretar as várias características da atmosfera, para determinar as áreas do planeta que podem sofrer os reflexos, em termos de tempo,causados por eles.Uma massa de ar é definida como um vasto volume de ar com características similares de temperatura,umidade e pressão. Essas características são determinadas pela região de origem da massa de ar. 
FERREIRA, A. G. Meteorologia prática. São Paulo:Oficina de Textos, 2006 (adaptado). 
Sobre o tema apresentado no texto, avalie as afirmações a seguir.

I. O relevo condiciona a Massa Polar Atlântica que, em determinados períodos do ano, pode chegar ao norte do Mato Grosso, e às vezes,até o Alto do Tapajós, causando o fenômeno da friagem.
II. Os climas que predominam no Brasil sofrem influência de quatro massas de ar quente;dessas, duas são úmidas e duas secas.
III. Através da interpretação e análise das imagens de satélites os previsores descrevemo estado da atmosfera.IV. Ao se deslocar pelo espaço brasileiro a Massa Polar Atlântica sofre modificações.
V. A latitude da região de origem de uma massa de ar determina sua temperatura.

É correto o que se afirma em
a) II, III e IV, apenas.
b) I, II, III e V, apenas.
c) I, II, IV e V, apenas.
d) I, III, IV e V, apenas.
e) I, II, III, IV e V.

Enade 2014 - Questão 21

Terça-feira, 27 de maio de 2014.
Novo tremor na cordilheira meso-oceânica.

Hoje, 27/05, às 10:59 UTC ocorreu um novo tremor na dorsal meso-oceânica, desta vez de magnitude 5.1.O epicentro do tremor está localizado a aproximadamente 1 122 km a SW da ilha de Santa Helena, a 2 790 km a E de Vitória e a 3 050 km a ENE do Rio de Janeiro. 
Disponível em: http://sismosne.blogspot.com.br. Acesso em: 27 mai. 2014 (adaptado). 

Terça-feira, 22 de julho de 2014.
Novo tremor na região de Sobral-CE em 16/07/2014.

Na semana passada, no dia 16/07, às 23:48 UTC (20:48, hora local) ocorreu um novo tremor na região de Sobral. O evento, de magnitude 2.1, teve epicentro localizado a aproximadamente 8 km a SE de Alcântaras,10 km a SSW de Meruoca e a 16 km a WNW de Sobral. Esse evento foi sentido em Alcântaras. 
Disponível em: http://portaljovensac.blogspot.com.br. Acesso em: 22 jul. 2014 (adaptado). 

Mapa de localização epicentral. O epicentro do sismo está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR).

A atividade sísmica na região de Sobral vem ocorrendo na Serra da Meruoca, no limite dos municípios de Sobral, Alcântaras e Meruoca,desde janeiro de 2008. O evento de maior magnitude(4.2) ocorreu em maio de 2008 e, desde então,ocasionalmente, ocorre um tremor sentido pela população. Como acontece normalmente em tais circunstâncias, não é possível prever qual a evolução futura dessa atividade sísmica. 
Disponível em: http://www.geologia.ufc.br.Acesso em: 05 ago. 2014 (adaptado). 
Os excertos acima retratam dois episódios sísmicos registrados em estações sísmicas no Brasil. 
a) diferença entre esses eventos é que o ocorrido na cadeia meso-oceânica 
A está associado à movimentação divergente de placas tectônicas, e o evento de Sobral-CE está associado à movimentação convergente de placas tectônicas.
b) está associado à sua localização na borda leste da placa tectônica Sul-americana, e o tremor registrado em Sobral-CE está associado à sua localização na borda oeste da placa.
c) é atípico, por não serem comuns eventos sísmicos nessa região, enquanto o evento de Sobral-CE não é único, sendo um de muitos que ocorrem na região.
c) está associado ao fato dessa se localizar no encontro de duas placas tectônicas com movimentação convergente, e o evento de Sobral-CE está associado a movimentos tectônicos menores, não relacionados ao encontro de placas tectônicas.
e) está associado ao fato dessa se localizar no encontro de duas placas tectônicas, e o evento de Sobral-CE está associado a movimentos tectônicos menores, não associados a encontro de placas tectônicas, uma vez que o Brasil encontra-se inteiramente no interior de uma única placa tectônica.

Enade 2014 - Questão 22 - O gráfico abaixo mostra a relação entre a precipitação e a vazão de corrente em duas situações distintas, que representam uma importante mudança ambiental.

A referida mudança e sua principal consequência expressa no gráfico é a
a) urbanização, com consequente antecipação no pico de vazão fluvial gerada pela maior concentração de chuvas.
b) inundação, com consequente aumento da infiltração de água, gerando aumento do escoamento superficial.
c) urbanização, com consequente aumento no escoamento superficial gerado pela impermeabilização dos solos.
d) inundação, com consequente aumento no escoamento superficial associado ao grande volume de água acumulado nos canais fluviais.
e) urbanização, com intensa edificação e impermeabilização do solo, gerando mudanças microclimáticas com consequente aumento de pluviosidade.

Enade 2014 - Questão 23
Os dados geográficos tornam-se mais significativos quando observados num contexto espacial. Por isso, o geógrafo utiliza-se da cartografia para visualizar a distribuição espacial dos fenômenos, como pode ser observado no mapa a seguir. 
FERREIRA, C. C.; SIMÕES, N. N. Tratamento estatístico e gráfico em geografia. Lisboa: Gravida, 2 ed, 1987 (adaptado).
Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 15 set. 2014 (adaptado). 
Qual afirmação corresponde à classificação correta do mapa apresentado acima? 
a) Mapa quantitativo, coropleto, adequado para representar distribuições espaciais de dados que se refiram a áreas.
b) Mapa qualitativo, de isolinhas, com representação de fenômenos cuja medição se refere a um ponto no espaço.
c) Mapa quantitativo, numérico, com distribuição de pontos de acordo com o fenômeno representado.
d) Mapa qualitativo, pictórico, com simbologia geométrica proporcional aos dados cartografados.
e) Mapa qualitativo, figurativo, com signos relacionados à quantidade da variável representada.

Enade 2014 - Questão 24
A noção de escala é inseparável do estudo das paisagens. Cada disciplina especializada no estudo de um aspecto da paisagem se apoia em um sistema de delimitação mais ou menos esquemático formado de unidades homogêneas (ao menos em relação à escala considerada) e hierarquizadas, que se encaixam umas nas outras. A esse respeito Bertrand (2004) e AB’ Saber (1967) propõem classificações de unidades de paisagem. 


Com base na classificação proposta por Bertrand e na classificação de AB’ Saber, avalie as afirmações a seguir.
I. Embora diversos fatores contribuam para a configuração da paisagem, como vegetação, clima, relevo e solos, tanto a classificação de Bertrand, como a dos domínios morfoclimáticos de AB’ Saber, têm como eixo principal o solo, pois esse atua sempre como uma variável independente.
II. A classificação de Bertrand considera diferentes escalas espaço-temporais para a análise da paisagem; enquanto a classificação dos domínios morfoclimáticos de AB’ Saber é limitada a um nível escalar específico de análise.
III. Os domínios morfoclimáticos brasileiros segundo a classificação de AB’ Saber se enquadrariam nos níveis de unidade de paisagem “zona͟” ou “domínio͟” da classificação de Bertrand, sendo o domínio amazônico um exemplo do primeiro caso, e os mares de morros exemplo do segundo caso. 
É correto o que afirma em
a) I, apenas.
b) III, apenas.
c) I e II, apenas.
d) II e III, apenas
e) I, II e III.

Enade 2014 - Questão 25
Muitas vezes os projetos governamentais preocupam-se apenas com os impactos ambientais e esquecemos impactos sociais, os sentimentos envolvidos, as histórias e tradições interrompidas e os hábitos e costumes que formam a identidade dos povos da bacia, como indígenas e quilombolas. 
Disponível em: http://cbhsaofrancisco.org.brх. Acesso em: 19 ago. 2014 (adaptado). 
A respeito do tema exposto acima, é correto afirmar que
a) apesar de a construção de barragens para a geração de energia hidrelétrica causar graves impactos sociais devido ao deslocamento de comunidades, ela não gera impactos físico-naturais, uma vez que a energia gerada pelo sistema hidrelétrico é renovável.
b) o deslocamento de comunidades para a construção de grandes projetos hidrelétricos pode ser considerado um exemplo claro de injustiça ambiental, pois a comunidade deslocada arca com o maior ônus de um empreendimento que beneficiará, em sua maioria, outra parte da sociedade.
c) para a legislação ambiental brasileira, é considerado impacto ambiental apenas o que afeta os meio físico e biótico, ficando desprotegidos pela lei ambiental aspectos sociais e econômicos, o que explica o problema revelado no texto.
d) a construção de barragens para geração de energia hidrelétrica, além de deslocar comunidades, é responsável por uma redução significativa da vazão fluvial média anual do rio, afetando os habitats a jusante do barramento.
e) os barramentos não afetam a vazão fluvial líquida do rio, mas apenas a vazão sólida, pois o nível de água das represas funciona como um nível de base local, favorecendo a deposição de sedimentos e diminuindo, consequentemente, a quantidade de sedimentos transportados a jusante do barramento.
Enade 2014 - Questão 26
Considere que a professora de uma turma de Geografia do 6º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública localizada em área urbana, está com dificuldades para trabalhar de forma didática o conceito de espaço geográfico. A turma é heterogênea, com meninos e meninas de diversos estados e diferentes realidades. Considerando as características da turma e a faixa etária dos alunos, avalie as seguintes afirmações quanto à forma adequada de se trabalhar o conceito de espaço geográfico.
I. Pedir aos alunos que desenhem a sala de aula, observando a posição e localização das mesas, cadeiras, janelas, portas, o quadro, a lixeira e demais elementos, a fim de explorar as noções de lateralidade, que contribuem na compreensão do espaço geográfico.
II. Fazer uma pesquisa entre os alunos, especificando sexo, idade, local de nascimento, lugar de moradia, profissão dos pais ou demais familiares, e, enfatizando as diversas histórias e vivências, demonstrar que o espaço é produzido pela sociedade em suas relações sociais.
III. Caminhar pela escola com os alunos observando o ambiente escolar; discutir e desenhar as observações; ampliar a atividade para outros espaços como o percurso de casa à escola, podendo assim perceber o espaço ao redor e aprofundar os conceitos adquiridos.
Está correto o que se afirma em
a) I, apenas.
b) III, apenas.
c) I e II, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.
Enade 2014 - Questão 27
Os eixos temáticos e suas interações interdisciplinares com os temas transversais e demais áreas foram propostos com o objetivo de auxiliar o professor a ensinar uma Geografia em que os alunos possam realizar uma leitura da realidade de forma não fragmentada, para que seus estudos tenham um sentido e significado no seu cotidiano, e no qual a sua vida no lugar possa ser compreendida interagindo com as pluralidades dos lugares, num processo de globalização, fortalecendo o espírito de solidariedade como cidadão do mundo. 
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais ʹ Brasília: MEC/SEF, 1998, p. 61-62 (adaptado). Sobre a interdisciplinaridade e considerando o processo de globalização, a Geografia
a) proporciona aos alunos uma compreensão global de vários acontecimentos, eliminando a importância da realidade local frente aos fatos mundiais, assim como dos eixos temáticos.
b) possibilita compreender e reconhecer a diversidade de identidades que coexistem em um mundo global, suplantando a ideia de identidade nacional por meio do estudo da categoria território.
c) promoveu a desconstrução de termos como território e espaço geográfico, cujos significados perderam importância analítica no que se refere ao ensino sobre os blocos econômicos.
d) contribui para estabelecer uma compreensão sobre o local e o global em suas diversas interações, cuja capacidade interpretativa é acentuada pela ordem mundial atual. 
e) utiliza-se do estudo fragmentado da realidade local que, devido à invariabilidade dos fenômenos geográficos, pode embasar as explicações sobre o mundo atual. 
Enade 2014 - Questão 28
Uma prática tradicional no Ensino Fundamental adotada nas aulas de estudos sociais, mas desenvolvida não apenas sob sua égide, é o estudo do meio considerando que se deve parir do próprio sujeito, estudando a criança particularmente, a sua vida, a sua família, a escola, a rua, o bairro, a cidade, e, assim, ir, sucessivamente, ampliando espacialmente aquilo que é o conteúdo a ser trabalhado. São os círculos concêntricos, que se sucedem numa sequência linear, do mais simples e próximo ao mais distante. 
CALLAI, H.C. Aprendendo a ler o mundo: A geografia nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Caderno Cedes, Campinas, v. 25, n. 66, maio-ago. 2005. 
Ao trabalhar determinado tema - um conflito territorial que ocorre em outro continente, por exemplo -, recomenda-se buscar a ligação desse fenômeno com a experiência cotidiana dos alunos, destacando elementos correlatos em outros conflitos, que sejam mais próximos da sua vivência. Nessa abordagem, há uma articulação dialética entre escalas locais e globais na construção de raciocínios espaciais complexos. 
CAVALCANTI, L. S. O ensino de geografia com novas abordagens. Revista Nova Escola, Ed. 238, dez. 2010. 
Para sedimentar tais conteúdos e estabelecer relações a parir de diferentes escalas, tendo o conceito de redes como referência, pode-se fazer uso de mapas e textos que estabelecem relações interescalares no mundo - do local para o global - e apresentam também outros agentes, tão importantes como os EUA, produtores do espaço geográfico mundial. 
SÃO PAULO. Orientações para o planejamento escolar 2014. Coordenadoria de Gestão Educação Básica. São Paulo, Fev. 2014 A parir dos textos acima, avalie as seguintes afirmações. 
I. Os textos apresentam indicações para o planejamento e desenvolvimento de ações didático pedagógicas correlacionadas ao ensino de geografia, contribuindo para a construção do pensamento espacial complexo.
II. Os textos narram a perspectiva de ensino sob abordagens conceituais de educação e de geografia escolar, considerando a interescalaridade e o conceito de redes como caminhos metodológicos complementares, numa análise que foge ao método padronizado de leitura do espaço de forma linearizada.
III. Os textos tratam de assuntos diversos no contexto das mudanças no ensino tradicional de Geografia ocorridas após a década de 1970, mas apresentam perspectivas similares de abordagens metodológicas ainda postas em prática na atualidade, a exemplo dos círculos concêntricos. 
É correto o que se afirma em
a) I, apenas.
b III, apenas.
c) I e II, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II, e III. 
Enade 2014 - Questão 29
Comunidades tradicionais da zona rural de Manaus, mapeadas num projeto premiado nos Estados Unidos, estão ameaçadas de desaparecer. As terras foram desapropriadas pelo governo do Amazonas para a instalação de um distrito industrial naval. Os territórios dessas comunidades foram mapeados de 2005 a 2011 pelo sistema de satélites do projeto “Nova Cartografia Social da Amazônia͟”, premiado em 2011. As terras fazem limites com imóveis de empresários, do Exército e da União. Excluídos de consulta prévia sobre o megaempreendimento, líderes das 19 comunidades afetadas dizem que vão pedir à Justiça a revisão do decreto. Essas comunidades, agora ameaçadas, surgiram em terrenos planos e barrancos na margem esquerda do rio Amazonas, em 1900. Os aglomerados são formados por casas, escolas, igrejas, jardins com árvores gigantes, como sumaúmas, e lagos com vitórias-régias. São cerca de 5 000 habitantes: pescadores, agricultores e extrativistas. A área contínua de floresta desapropriada pelo governo tem 10,2 mil hectares - 10 mil campos de futebol - e fica entre os lagos do Puraquequara e Jatuarana, onde o governo quer construir estaleiros com benefícios fiscais da Zona Franca de Manaus. A Secretaria de Planejamento do Amazonas diz que as famílias serão notificadas após estudo fundiário da área e análise de impacto ambiental. Não há prazo para retirar e indenizar as famílias. Como se percebe, há situações divergentes frente a esta questão. De um lado, integrantes da comunidade afirmam que “Os mapas confirmam a permanência da quinta geração da nossa família nesta terra͟” (morador local) e, de outro, o governo do Amazonas, por meio de seus agentes, afirma que a área desapropriada para instalação do distrito industrial é formada por terras da União e defende que “Se não houve consulta prévia às comunidades tradicionais, foi para não gerar especulação imobiliária”. 
BRASIL, K. Comunidades do AM mapeadas por projeto premiado são ameaçadas. Folha de São Paulo. Caderno Ambiente, 24 mar. 2013. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br. Acesso em: 29 jul. 2014 (adaptado). 
A respeito do texto acima e à luz de conceitos geográficos, avalie as afirmações a seguir.
I. O conceito de território é uma abordagem coerente para a discussão metodológica da questão, uma vez que demonstra as relações de poder desiguais instaladas nas disputas por aquele espaço.
II. O Estado considerou o posicionamento das comunidades tradicionais e atendeu aos interesses dos especuladores imobiliários da região.
III. O conceito de lugar explica operacionalmente e didaticamente a relação de pertencimento das comunidades tradicionais, construída no espaço-tempo, mais precisamente desde o início de 1900.
IV. Na escola, em questões que envolvem a temática ambiental e de apropriação do espaço, o professor deve inserir em suas práticas pedagógicas a oportunidade de os educandos perceberem os diversos agentes envolvidos no conflito apresentado, bem como os interesses defendidos, de forma a contribuir para a compreensão dos processos que envolvem a dimensão do espaço em sua totalidade.
É correto apenas o que se afirma em
a) I e II.
b) II e IV.
c) III e IV.
d) I, II e III.
e) I, III e IV. 
Enade 2014 - Questão 30
A atual proposta de identificação das macro unidades do relevo brasileiro, elaborada por Jurandyr Ross, é composta por 28 unidades que, divididas por critérios geomorfológicos, apresentam três tipos que refletem suas gêneses: os planaltos, as depressões e as planícies. Os planaltos e serras do Atlântico leste e sudeste, dentro da unidade geomorfológica de planaltos, compõem a mais expressiva unidade de relevo em cinturões orogenéticos. 
ROSS, J.L.S. Geografia do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009 (adaptado). 
Considerando a distribuição geográfica das unidades de relevo segundo a visão de Ross, o domínio morfoclimático que concentra a maior parte de sua área de ocorrência dentro da unidade dos planaltos e serras do Atlântico leste e sudeste é o domínio dos (as)
a) mares de morros.
b) araucárias.
c) pradarias.
d) caatingas.
e) cerrados

GABARITO - ENADE 2014 - Geografia (Licenciatura) 

09 - E
10 - B
11 - C
12 - D
13 - A
14 - C
15 - E
16 - D
17 - B
18 - A
19 - B
20 - D
21 - E
22 - C
23 - A
24 - D
25 - B
26 - E
27 - D
28 - C
29 - E
30 - A

Fonte: Blog de Geografia (Suburbano digital)
Conferência dos Geógrafos Latino Americanistas

Data: 05 a 11 de janeiro de 2014 (apresentações nos dias 07 e 08)
Lugar: Cidade do Panamá, Panamá
Envio de trabalhos: até 31 de outubro de 2013

Maiores informações na página na internet:
http://clagpanama2014.tamu.edu/call-for-papers
http://clagpanama2014.tamu.edu/